Farelo de soja da Argentina deve cair para 40% do comércio mundial em 2020/21

Imagem: Pixabay



A proporção de farelo de soja argentina nos mercados globais deve cair ao nível mais baixo em duas décadas no ciclo 2020/21 , informou o AgriCensus em 1º de fevereiro de um relatório da Bolsa Comercial de Rosário (BCR).

A participação do Brasil ficaria em torno de 25% e a dos EUA aumentaria para 20% neste ciclo, segundo estimativas do BCR.

“Embora a Argentina continue a ser o principal fornecedor de farelo de soja, com exportações estimadas para a safra 2020/21 em torno de 26,5 milhões de toneladas, a participação relativa de nosso país no total mundial cairá para 39,9% pela primeira vez desde o ciclo de 2000/01” AgriCensus citou BCR como dito no seu relatório.

Essa mudança representaria uma queda de 10% desde o valor recorde da safra 2016/17, afirma o relatório, sendo Brasil e EUA os principais beneficiados.

Para o óleo de soja, o relatório espera que a Argentina embarque 5,7 milhões de toneladas do óleo no ciclo da safra atual, representando 47% do comércio global.

Esse número se compara às exportações de 5,4 milhões de toneladas e uma participação de 45% do comércio global de óleo vegetal no ciclo anterior, de acordo com o relatório.

O BCR também estimou que o Brasil e os EUA exportariam aproximadamente 1,2 milhão de toneladas de óleo de soja na safra atual, com cada um representando 10% do comércio global.

{module Form RD}

No geral, o BCR disse esperar que o comércio internacional no segmento de óleo de soja ultrapasse 12 milhões de toneladas pela primeira vez este ano, representando um crescimento de 14% em comparação com a média enviada na última década.

A bolsa também esperava que a Argentina exportasse 6,5 milhões de toneladas de soja na safra 2020/21, queda de 4% em relação aos 6,8 milhões de toneladas no ciclo anterior e queda de 11% em comparação com a média de cinco anos.

A previsão do BCR é que a posição de exportação da Argentina no complexo global da soja chegará até 16% na safra 2020/21, um dos menores percentuais dos últimos 30 anos.

“De 1990 até agora, a única vez que a participação do complexo soja argentino nas exportações mundiais ficou abaixo dessa marca foi na safra 2017/18, quando uma forte seca impactou negativamente a produção nacional de soja que atingiu apenas 35 milhões de toneladas”, de acordo com o BCR, diz a AgriCensus.

“Esses 16% também são metade do recorde de 32% que nosso país conseguiu alcançar na campanha de 2007/08”, observou o relatório do BCR.

Este texto foi traduzido automaticamente do inglês.


Fonte: OFI Magazine

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.