Fórum de Agricultura reúne especialistas de 10 países em Curitiba

Com o tema “Nova estratégia para uma nova agricultura”, 30 especialistas, de mais de dez países, se encontram esta semana em Curitiba para o Fórum de Agricultura da América do Sul 2016. Do lado da plateia, mais de 400 pessoas, representantes de todos os elos da cadeia produtiva do agronegócio brasileiro e mundial, da produção ao consumo, assim como comércio de bens e serviços que tendem o setor.

Em sua quarta edição, o evento segue tendo como palco o Museu Oscar Niemeyer. Um espaço de arte e cultura e também multidisciplinar, que neste caso serve de inspiração para mostrar a intensa relação entre o campo e a cidade, o urbano e o rural, a produção agrícola, a economia e a sociedade urbana. Entre os participantes, gente de várias regiões do estado e do país, interessadas em saber e conhecer mais sobre o futuro de um segmento que está no DNA do Brasil e da América do Sul.

Eles querem entender sobre o ativo que vai além do poder político ou econômico, que por vezes define, segrega, taxa e rotula as nações de primeiro mundo, os países em desenvolvimento e até mesmo os subdesenvolvidos. Porque a riqueza sul-americana não está necessariamente em seu poder bélico ou econômico. Está em sua vocação natural, característica que faz do bloco o celeiro do mundo. Uma região singular, de relações diplomáticas comerciais com todos os países e continentes. E não porque tem dinheiro, mas porque tem comida, o grande ativo do mundo moderno.

Macroeconomia

Dos grãos às carnes, fórum também coloca em pauta a macroeconomia a partir do ambiente econômico do agronegócio. Porque não é mais possível tratar de economia, fazer análises e previsões econômicas sem falar do agronegócio. E a realidade do Brasil não deixa dúvidas dessa nova ordem econômica mundial. A economia que vem do campo amplia sua participação e responde por quase 1/4 das riquezas geradas no país, quase 25% do Produto Interno Bruto (PIB). No Paraná, uma relação ainda mais forte. Um dos principais indicadores está no movimento do Porto de Paranaguá. No primeiro semestre, mais de 80% de tudo que foi embarcado no terminal paranaense tem origem no campo.

Com o tema “Nova estratégia para uma nova agricultura”, 30 especialistas, de mais de dez países, se encontram esta semana em Curitiba para o Fórum de Agricultura da América do Sul 2016. Do lado da plateia, mais de 400 pessoas, representantes de todos os elos da cadeia produtiva do agronegócio brasileiro e mundial, da produção ao consumo, assim como comércio de bens e serviços que tendem o setor.

Em sua quarta edição, o evento segue tendo como palco o Museu Oscar Niemeyer. Um espaço de arte e cultura e também multidisciplinar, que neste caso serve de inspiração para mostrar a intensa relação entre o campo e a cidade, o urbano e o rural, a produção agrícola, a economia e a sociedade urbana. Entre os participantes, gente de várias regiões do estado e do país, interessadas em saber e conhecer mais sobre o futuro de um segmento que está no DNA do Brasil e da América do Sul.

Eles querem entender sobre o ativo que vai além do poder político ou econômico, que por vezes define, segrega, taxa e rotula as nações de primeiro mundo, os países em desenvolvimento e até mesmo os subdesenvolvidos. Porque a riqueza sul-americana não está necessariamente em seu poder bélico ou econômico. Está em sua vocação natural, característica que faz do bloco o celeiro do mundo. Uma região singular, de relações diplomáticas comerciais com todos os países e continentes. E não porque tem dinheiro, mas porque tem comida, o grande ativo do mundo moderno.

Macroeconomia

Dos grãos às carnes, fórum também coloca em pauta a macroeconomia a partir do ambiente econômico do agronegócio. Porque não é mais possível tratar de economia, fazer análises e previsões econômicas sem falar do agronegócio. E a realidade do Brasil não deixa dúvidas dessa nova ordem econômica mundial. A economia que vem do campo amplia sua participação e responde por quase 1/4 das riquezas geradas no país, quase 25% do Produto Interno Bruto (PIB). No Paraná, uma relação ainda mais forte. Um dos principais indicadores está no movimento do Porto de Paranaguá. No primeiro semestre, mais de 80% de tudo que foi embarcado no terminal paranaense tem origem no campo.

 

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.