Futuros do óleo de soja despencam mais de 7% em Chicago após mudanças na política de biocombustíveis nos EUA



Imagem: Pixabay


As mudanças na política de biocombustíveis – Renewable Fuel Standard (Padrões para Combustíveis Renováveis) anunciadas pela EPA (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos) nesta quarta-feira (21) pesaram ainda mais sobre os futuros do óleo de soja, que perdem quase 7% no final desta manhã na Bolsa de Chicago. Segundo o portal DTN The Progressive, as empresas de biocombustíveis “expressaram desapontamento” frente às alterações apresentadas hoje, uma vez que indicam uma redução nos mandatório de biodiesel e etanol de milho.

Perto de 12h (horário de Brasília), as cotações do derivado perdiam entre 6,93% e 7,07% entre os contratos mais negociados, com o outubro sendo valendo 53,76 cents de dólar por libra-peso e o maio/24, 52,60 centavos/lp.

{module Form RD}

Os números finais da EPA – em uma política que valerá pelos próximos três anos – indicaram uma redução de 250 milhões de galões no volume total de etanol de milho para 2024 e 2025 em relação à proposta original, ajustando o volume para 15 bilhões de galões para os dois anos.

Para 2023, o ajuste da agência para 2023 foi de 15,25 bilhões de galões. “Isso inclui um suplemento de 250 milhões de galões ilegalmente dispensado pela agência em 2016”, informou o DTN.

No caso do biodiesel, os volumes definidos na RFS registraram algum pequeno aumento, porém, abaixo das expectativas. Para 2023 o aumento foi de 5,94 milhões de galões, contra os 5,82 bilhões propostas. Para 2024 são 6,54 bilhões, enquanto a proposta era de 6,62. Para o ano seguinte, foram definidos 7,43 bilhões, enquanto a proposta era de 7,33 bilhões.

Ainda segundo o portal norte-americano, tais números vazaram e chegaram à agência de notícias Reuters, promovendo o movimento intenso de desvalorização dos futuros do óleo de soja na CBOT já desde a noite de ontem.

“BANHO DE ÁGUA FRIA”
Nos portais internacionais, as posições de diversos grupos de biocombustíveis convergem sobre um grande “banho de água fria” que tomaram com os novos números da EPA, principalmente pelas agendas verdes – incluindo um aumento nos mandatórios de biocombustíveis – terem sido uma das principais promessas de campanha do atual presidente americano Joe Biden.

Todos reiteraram que a política alterada foi uma “oportunide perdida de o governo americano aprimorar suas práticas sustentáveis, ao mesmo tempo em que “negligencia” o atual momento de investimentos em produção do setor. Veja algumas destas posições.

Clean Fuels Alliance America

“A EPA finalizou aumentos moderados nos volumes avançados de diesel e não celulósicos a base de biomassa a cada ano, mas não aumentou o mercado geral de combustível renovável. A EPA não conseguiu alterar os volumes de diesel à base de biomassa para 2023, apesar do rápido aumento na produção americana de biodiesel, diesel renovável e combustível de aviação sustentável durante os primeiros meses do ano. A EPA está minando a certeza que nossa indústria esperava de uma regra de RFS de três anos”.

Advanced Biofuels Association

“Os RVOs de 2023, 2024 e 2025 da EPA são uma oportunidade perdida de investir e expandir a adoção de biocombustíveis avançados de baixo carbono. Para deter a mudança climática, o governo Biden deve alavancar as ferramentas à sua disposição que podem ser implantadas economicamente usando nossa infraestrutura nacional de combustível existente. Ao optar por não refletir a oferta disponível e crescente de biocombustíveis avançados nesta regra de três anos, a EPA está negligenciando a chance de reduzir 7 trilhões de libras de CO2 de nossa atmosfera. Essa regra nega a visão proclamada do governo Biden para a redução de carbono”.

Renewable Fuels Association

“O RFS pretendia impulsionar o crescimento contínuo em todas as categorias de combustíveis renováveis ​​muito além de 2022; em vez disso, a regra final de hoje limita os combustíveis renováveis ​​convencionais a 15 bilhões de galões e perde uma oportunidade valiosa de acelerar a transição do setor de energia para combustíveis de baixo e zero carbono. Apesar da falha da regra em finalizar os fortes volumes propostos de combustível renovável convencional, a ação “inclui volumes sólidos para outras categorias de combustível renovável e traz alguma estabilidade e previsibilidade ao mercado pelos próximos dois anos e meio”.

Fonte: Carla Mendes | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.