G7 inicia pressão sobre Rússia com valor do preço do petróleo


Imagem: Pixabay


Um teto nos preços do petróleo transoceânico russo estabelecido pelo G7 entrou em vigor nesta segunda-feira, enquanto o Ocidente tenta limitar a capacidade de Moscou de financiar sua guerra na Ucrânia, embora a Rússia tenha dito que não cumprirá a medida, mesmo que precise cortar a produção.

Os países do G7 e a Austrália concordaram na sexta-feira com um teto de preço de 60 dólares por barril no petróleo transoceânico russo depois que os membros da União Europeia superaram a resistência da Polônia, que queria um preço menor. A Rússia é o segundo maior exportador de petróleo do mundo.

O vice-primeiro-ministro russo Alexander Novak chamou de interferência grosseira que contradiz as regras do livre comércio e desestabilizará ainda mais o mercado.

{module Form RD}

“Vamos vender produtos petrolíferos apenas para os países que trabalharão conosco em condições de mercado, mesmo que tenhamos que reduzir um pouco a produção”, disse Novak, a autoridade do governo russo encarregada do petróleo, gás, energia atômica e carvão, no domingo.

O acordo do G7 permite que o petróleo russo seja enviado para países terceiros usando petroleiros, companhias de seguros e instituições de crédito do G7 e da UE, somente se a carga for comprada abaixo do limite de 60 dólares por barril.

Participantes do setor e uma autoridade dos EUA disseram em outubro que a Rússia pode ter acesso a navios-tanque suficientes para enviar a maior parte de seu petróleo além do alcance do limite, ressaltando os limites do plano mais ambicioso até agora para reduzir a receita da Rússia durante a guerra.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, disse que 60 dólares é muito alto para impedir que a Rússia trave a guerra na Ucrânia. “Você não chama de decisão séria definir esse limite para os preços russos, o que é bastante confortável para o orçamento de um estado terrorista”.

Os Estados Unidos e seus aliados impuseram sanções amplas à Rússia e enviaram bilhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia desde que a Rússia invadiu em 24 de fevereiro.

O presidente francês Emmanuel Macron, no entanto, atraiu críticas da Ucrânia e seus aliados do Báltico no fim de semana por sugerir que o Ocidente deveria considerar a necessidade de garantias de segurança à Rússia se concordar em negociar para terminar a guerra.

O assessor de Zelenskiy Mykhailo Podolyak disse que o mundo precisava de garantias de segurança da Rússia, não o contrário.

Em um sinal adicional de desconforto ocidental em um impasse que criou crises de energia e refugiados na Europa, o chanceler alemão Olaf Scholz alertou nesta segunda-feira contra a criação de uma nova Guerra Fria, dividindo o mundo em blocos.

Fonte: Nick Starkov e Pavel Polityuk | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.