Guerra comercial com EUA abre oportunidades para América do Sul no México

A administração do presidente Donald Trump têm criticado acordos de livre comércio e o que chama de “práticas injustas” supostamente vindas do México que estariam prejudicando o complexo industrial dos Estados Unidos. No entanto, consequências indesejadas já tem sido percebidas na economia norte-americana e o setor mais afetado é o agronegócio.

 

 

O México, um dos maiores compradores de alimentos dos Estados Unidos, têm anunciado a busca de novas fontes de fornecimento justamente nos grandes concorrentes. A ideia é diminuir as compras dos vizinhos do norte mesmo antes de qualquer tipo de mudança no Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta).

A Argentina tem negociado a entrada de ovos frescos. Diplomatas mexicanos já anunciaram a autorização de futuras importações de arroz brasileiro. A Argentina tenta liberar os seus limões e outros sucos para mesas mexicanas. Trazer carne bovina de ambos países sul-americanos também está sendo considerado, mas uma questão permanece: a Argentina e o Brasil serão capazes de suprir milho e soja para o México substituindo os Estados Unidos?

 

 

Os mexicanos já dizem que o milho sul-americano será livre de sobretaxas, informa reportagem do Portal Agriculture.com assinada pelo correspondente do site na América do Sul, Luis Vieira.

Tom Sleight, presidente e CEO do Conselho de Grãos dos Estados Unidos, acredita que os Estados Unidos ainda tem vantagem logística significativa. Os envios para o México são feitos por caminhão, navio e trens – muito mais baratos se comparados aos congêneres sul-americanos. Ele admite, porém, que algum dano já ocorreu para as exportações agrícolas americanas.

“Nós ainda temos que esperar para saber o que vai acontecer. Nós temos falado todos os dias com a administração Trump sobre estes riscos e tenho certeza que eles têm entendido esses riscos. É possível que nos próximos anos o México compre milho de outras fontes”, contou Sleight ao Agriculture.com. 

Um operador da Cargill na Argentina não vê muita possibilidade para que o país venda milho ao México: “Um terço das compras mexicanas vêm dos Estados Unidos por linha férrea, tornando muito difícil competir por via marítimas”. Por outro lado, alguns dizem que a Argentina tem um potencial de exportar mais grãos ao México com a redução dos custos internos de transporte pela reativação de velhos modais de transporte.

“A Argentina vendeu muito sempre três produtos básicos: milho, sorgo e soja. Os volumes enviados à América do Norte eram muito altos até a assinatura do Nafta. Não estaria tão seguros que, com a volta das tarifas, nós não seríamos competitivos”, analisou Gustavo López, diretor da consultoria AgriTrend de Buenos Aires.

 

O Brasil espera colher um volume de 100 milhões de toneladas de milho neste ano, se o clima ajudar. Apesar da colheita da safrinha estar distante, especialistas enxergam um grande potencial no México.

“O México deve dar preferência à expansão dos volumes de compras do Brasil, incluindo grãos e carnes”, assinalou o professor Marcos Fava Neves da Escola de Negócios da Universidade de São Paulo, um especialista em agronegócios.q

Fonte: Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.