IBGE projeta safra de grãos em 250,9 milhões de toneladas


Imagem: Pixabay

Em setembro, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas estimada para 2021 teve nova queda ante o mês anterior (-0,3%%, ou 752,5 mil toneladas). Com isso, a safra deve alcançar 250,9 milhões de toneladas, ficando 1,3% abaixo (3,2 milhões de toneladas a menos) da produção recorde de 2020 (254,1 milhões de toneladas). O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), do IBGE, mostra que a área a ser colhida é de 68,3 milhões de hectares, 4,4% maior (2,9 milhões de hectares) que a de 2020. Ante o mês anterior, a área a ser colhida cresceu 0,1% (55,7 mil hectares).

O arroz, o milho e a soja, os três principais produtos deste grupo, representam 92,4% da estimativa da produção e respondem por 87,7% da área a ser colhida. Em relação a 2020, houve acréscimos de 6,1% na área do milho (1,4% na primeira safra e 7,8% na segunda) e de 4,8% na área da soja. Por outro lado, houve declínios de 16,0% na área do algodão herbáceo e estabilidade na área do arroz.

Na produção, houve altas de 10,3% para a soja – que deve chegar ao recorde de 134,0 milhões de toneladas – e de 4,4% para o arroz em casca, que deverá totalizar 11,5 milhões de toneladas. Já para o algodão herbáceo estima-se queda de 17,5% e, para o milho, recuo de 16,4%, sendo -3,2% na primeira safra e -21,0% na segunda.

A informação de setembro para a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2021 foi de 250,9 milhões de toneladas e uma área colhida de 68,3 milhões de hectares. Em relação a 2020, a área a ser colhida cresceu 4,4% (2,9 milhões de hectares). Frente ao previsto no mês anterior, houve alta de 55,7 mil hectares (0,1%).

As regiões Sul (5,4%), Nordeste (1,7%) e Norte (1,3%) tiveram altas em suas estimativas este mês. Sendo que a primeira deve produzir 77,1 milhões de toneladas (30,7% do total nacional); a segunda, 23,0 milhões de toneladas (9,2% do total), e a terceira, 11,1 milhões de toneladas (4,4% do total).

{module Form RD}

Por outro lado, no Centro-Oeste, maior produtor (45,7% do total nacional), espera-se novo declínio (-5,8%), devendo concluir 2021 com uma safra de 114,7 milhões de toneladas. Também houve declínio no Sudeste (-2,6%), com produção estimada em 25,1 milhões de toneladas (10,0% do total nacional).

Mato Grosso lidera a produção nacional de grãos, com participação de 28,5%, seguido pelo Rio Grande do Sul (15,0%), Paraná (13,3%), Goiás (9,2%), Mato Grosso do Sul (7,7%) e Minas Gerais (6,1%), que, somados, representam 79,8% do total nacional. As variações positivas nas estimativas da produção, frente ao mês anterior, ocorreram em Mato Grosso (609,8 mil toneladas), Rio Grande do Sul (176,3 mil toneladas), Rondônia (32,9 mil toneladas), Pernambuco (578 toneladas), Distrito Federal (210 toneladas), Espírito Santo (208 toneladas) e Rio Grande do Norte (11 toneladas).

Já as variações negativas ocorreram no Paraná (-597,7 mil toneladas), São Paulo (-515,2 mil toneladas), Goiás (-269,2 mil toneladas), Minas Gerais (-169,6 mil toneladas), Alagoas (-8,7 mil toneladas), Maranhão (-4,4 mil toneladas), Ceará (-3,1 mil toneladas), Bahia (-3 mil toneladas), Sergipe (-1,5 mil toneladas), Acre (-85 toneladas), e Amapá (-50 toneladas).

Destaques na estimativa de setembro de 2021 em relação a agosto

Em setembro, destacaram-se as variações positivas nas seguintes estimativas de produção frente a agosto: feijão 3ª safra (6,0% ou 33,8 mil toneladas), tomate (4,3% ou 163, 6 mil toneladas), café canephora (1,7% ou 15,4 mil toneladas), feijão 2ª safra (1,6% ou 15,0 mil toneladas), milho 1ª safra (0,9% ou 232,1 mil toneladas),feijão 1ª safra (0,3% ou 3,0 mil toneladas), soja (0,2% ou 268,7 mil toneladas) e cevada (0,1% ou 657 toneladas).

Por outro lado, espera-se quedas na produção de laranja (-7,2% ou 1,1 milhão de toneladas), cana-de-açúcar (-3,8% ou 24,6 milhões de toneladas), café arábica (-3,1% ou 62,9 mil toneladas), milho 2ª safra (-2,0% ou 1,2 milhão de toneladas), aveia (-1,1% ou 11,5 mil toneladas), algodão (-1,0% ou 60,2 mil toneladas) e trigo (-0,6% ou 46,9 mil toneladas).

Por: Eliza Maliszewski | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.