Igualdade de gênero no setor agroalimentar pode salvar 45 milhões da fome, diz FAO



Imagem: Adobe Stock


Atraso na superação da discriminação contra mulheres está gerando perdas de quase US$ 1 trilhão na produtividade global.

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, FAO, divulgou nesta quinta-feira (13) um relatório que enfatiza a importância da mulher nos sistemas agroalimentares.

O estudo explica que acabar com a desigualdade de gênero no setor aumentaria o Produto Interno Bruto global em quase US$ 1 trilhão e reduziria o número de pessoas com insegurança alimentar em 45 milhões.

Piores condições

Segundo a agência, 36% da força de trabalho feminina no mundo atua em sistemas agroalimentares. Na África Subsaariana, 66% das trabalhadoras atuam no setor. No entanto, as condições laborais tendem a ser piores que as dos homens.

Casos de irregularidade, informalidade, intensidade de trabalho e salários inferiores revelam que o papel das mulheres é “marginalizado”. As trabalhadoras também têm menos posse de terra, menos acesso a crédito e treinamento e precisam utilizar tecnologias projetadas para homens.

O relatório indica que, quando as economias passam por períodos de austeridade, as mulheres são as primeiras a serem demitidas. Globalmente, 22% das mulheres nos segmentos não-agrícolas dos sistemas agroalimentares perderam o emprego, no primeiro ano da pandemia de Covid-19, em comparação com 2% dos homens.

O estudo confirma que as mulheres são mais vulneráveis a choques climáticos e desastres naturais, pois as restrições de recursos e as normas de gênero discriminatórias podem dificultar sua adaptação.

Por exemplo, a carga de trabalho das mulheres, incluindo as horas trabalhadas na agricultura, tende a diminuir menos do que a dos homens durante choques climáticos, como o estresse térmico.

Protagonismo feminino

Outro ponto de preocupação é a insegurança. Dos países analisados na região da Ásia-Pacífico, Timor-Leste é o segundo colocado no ranking de violência física contra mulheres camponesas. Dentre os países africanos incluídos na amostra, Angola figura entre os 15 com índice mais elevado de agressões.

De acordo com o diretor-geral da FAO, QU Dongyu, as desigualdades de gênero são “endêmicas” nos sistemas agroalimentares. Ele afirma que através do empoderamento feminino “o mundo dará um salto” em direção aos objetivos de erradicar a pobreza e criar um planeta livre da fome.

Nesse sentido, foram encontradas correlações positivas entre o nível de empoderamento das mulheres e a diversidade alimentar em Bangladesh, Gana, Quênia, Moçambique, Ruanda e Timor-Leste.

Os autores do estudo explicam que intervenções focadas no protagonismo feminino poderiam aumentar a renda de 58 milhões de pessoas, melhorando a resiliência de outras 235 milhões.


Trabalho doméstico e acesso a creche
s

O relatório da FAO mostra que as intervenções para melhorar a produtividade das mulheres são bem-sucedidas quando abordam o trabalho doméstico não remunerado.

A agência também destaca que o acesso a creches tem um grande efeito positivo no emprego das mães. Segundo a pesquisa, o aumento do emprego e da resiliência das mulheres requer programas de proteção social, educação, treinamento e maior segurança na posse da terra.

Embora 75% das políticas relacionados à agricultura e desenvolvimento rural de 68 países analisados reconheçam o papel da mulher, apenas 19% incluem metas relacionadas a gênero.

Progresso insuficiente

A FAO afirma que o progresso na redução das disparidades de gênero estagnou ou retrocedeu. Melhorias na nutrição, renda e acesso a empregos de qualidade estão travadas. Para superar esses desafios, a agência propões recomendações para construção de sistemas agroalimentares mais justos e sustentáveis.

Dentre elas estão melhorar o acesso das mulheres à internet móvel, que diminuiu de 25% para 16% entre 2017 e 2021 nos países de baixa e média rendas. Outra medida considerada importante é assegurar melhores direitos de posse sobre terras agrícolas para as mulheres.

Os sistemas agroalimentares abrangem a produção agrícola primária de produtos alimentares e não alimentares, a produção de alimentos de origem não agrícola e a cadeia de abastecimento alimentar, do produtor ao consumidor.

Fonte: Datagro

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.