Importação de cacau pelo Brasil dispara e indústria quer amêndoa da Costa do Marfim

As importações de amêndoas de cacau pelo Brasil deverão atingir neste ano cerca de 80 mil toneladas, ante 11 mil toneladas no ano passado, aumentando os custos do setor após uma expressiva quebra de safra pela seca na Bahia, afirmou o diretor-executivo da Associação Nacional das Indústrias Processadoras de Cacau (AIPC), Eduardo Bastos.

“É muita coisa essa importação, para nós é ruim porque é sempre melhor se abastecer com safra interna, (para importar) tem que fazer compras seis meses antes…”, disse Bastos em entrevista à Reuters, ressaltando que o Brasil já importou quase 50 mil toneladas até o momento no ano.

A safra do país foi estimada pela AIPC em 150 mil toneladas na temporada 2016/17, queda de quase 30 por cento ante a temporada anterior, com perdas expressivas no principal Estado produtor do Brasil, um dos maiores consumidores globais de chocolate em volumes.

A estiagem foi tão severa na Bahia que provocou a morte de lavouras, o que terá impacto na produção dos próximos anos e consequentemente manterá as importações mais altas do que as cerca de 10 mil toneladas registradas nos últimos anos.

“O volume a ser importado (nos próximos anos) dependerá muito das próximas safras, mas esperamos redução pelo menos para a metade (do importado neste ano)”, disse Bastos, da AIPC, que tem entre as associadas grandes companhias multinacionais como Olam, Cargill e Barry Callebaut.

Isso significaria importações de aproximadamente 40 mil toneladas ao ano até que a cultura possa se recuperar da severa estiagem.

COSTA DO MARFIM

Diante desse cenário, a associação está pressionando o governo federal para reverter uma proibição fitossanitária à importação do produto da Costa do Marfim, o principal produtor e exportador global, que poderia dar mais uma opção e aliviar custos para a indústria, que hoje só traz cacau de Gana.

“Como o pessoal sabe que o Brasil está importando só de Gana, o preço está muito alto”, afirmou, sem dar detalhes.

O preço no mercado interno também está alto, com a quebra de safra. O prêmio do cacau de Ilhéus (BA) em relação à cotação na bolsa de Nova York atingiu média de 268 dólares por tonelada em julho ante deságio de 623 dólares/t no mesmo mês do ano anterior, segundo a consultoria INTL FCStone.

Bastos acredita que até o final do ano a indústria conseguirá autorizações para importar da Costa do Marfim.

As importações terão um papel importante para o mercado brasileiro, segundo o dirigente da associação, ainda que com a crise econômica o consumo tenha caído em 8 por cento no ano passado, para 220 mil toneladas, com projeção de estabilidade em 2016.

Até porque a indústria nacional deverá exportar 69 mil toneladas (no equivalente em amêndoas) em derivados, como a manteiga de cacau e o cacau em pó –tais exportações ocorrem em regime de “drawback”, com benefícios tributários.

Para os próximos anos, o Brasil espera reduzir fortemente suas importações, uma vez que há um plano para o país voltar a produzir pelo menos 300 mil toneladas em cinco anos e assim se tornar autossuficiente.

 

Fonte: Reuters

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.