Importação de soja pela China deve perder força pelo resto do ano com uso limitado de farelo



Imagem: Pixabay


As importações de soja pela China devem desacelerar de forma acentuada no final de 2021 após terem atingido um recorde no primeiro semestre, frustrando expectativas de crescimento sustentado na maior compradora global da oleaginosa e afetando o sentimento do mercado justamente no momento em que produtores norte-americanos procuram vender sua nova safra.

Um colapso na lucratividade do setor de suínos e um forte aumento no uso de trigo como ração animal estão por demanda por soja na China, onde agora as alterações ocorrerão abaixo dos 100 milhões de toneladas neste ano, ante estimativa de 102 milhões de toneladas publicada recentemente pelos Estados Unidos.

{module Form RD}

Como a China é responsável por 60% das importações globais de soja, seu apetite reduzido –enquanto aos produtores nos EUA caminham para colher o que é projetado como a terceira maior safra da história– deve adicionar ainda mais volatilidade à commodity, que atingiu máximas de nove anos em 2021.

“A demanda por farelo de soja está chegando ao fundo do poço. A base está agora em menos 120 iuanes (no norte da China), menor nível deste ano. A demanda pode voltar a subir, mas agora está uma droga”, disse um Gerente de uma empresa de esmagamento no norte da China, que processa em média duas cargas de soja por mês.

“Nós não podemos fazer pedidos para compras. O volume das exportações dos EUA será afetado.”

Sua fábrica possui apenas um isolado reservado para agosto – normalmente, estaria com reservas cheias até o final de outubro. Com a situação atual, os indicadores de soja em Shandong prejudicados de quase 400 iuanes para cada tonelada esmagada da oleaginosa.

A China importou um recorde de 48,95 milhões de toneladas no primeiro semestre de 2021, alta de quase 9% em comparação anual, com seu rebanho de suínos se recuperando do surto de uma doença mortal e o Brasil – maior produtor de soja do mundo – embarcando uma safra recorde. Agora, no entanto, a demanda está cambaleando, segundo analistas.

“O ímpeto das importações no começo do ano foi bem forte. Mas desde maio, o crescimento na comparação anual tem desacelerado”, disse Zou Honglin, analista do Myagric.com.

“Os sinais não parecem otimistas para uma recuperação no momento. As margens domésticas de esmagamento ainda estão no vermelho, enquanto os sinais não parecem otimistas de soja elevados”, afirmou Howie Lee, economista do banco OCBC. “Usando os pedidos da nova safra dos EUA como ‘proxy’, a China não tem feito tantos pedidos quanto em 2020.”

Fonte: Reuters

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.