Kremlin diz que plano do Brasil sobre Ucrânia merece atenção, não viu nenhuma proposta da França



Imagem: Pixabay


O Kremlin disse nesta terça-feira que os esforços do Brasil para mediar o conflito na Ucrânia “merecem atenção”, e que não tinha visto nenhum plano para um acordo de paz apresentado pela França.

A Bloomberg informou anteriormente que o presidente da França, Emmanuel Macron, estava procurando se aproximar da China com um plano que pudesse formar a base para as conversações entre Moscou e Kiev.

{module Form RD}

Enquanto isso, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu críticas dos Estados Unidos na segunda-feira por seus recentes comentários sugerindo que o Ocidente havia incentivado o conflito ao fornecer armas para a Ucrânia. Ele disse que Washington deveria parar de enviar armas para a Ucrânia e começar a falar sobre a paz.

Lula propôs estabelecer um grupo de países não envolvidos com a guerra para intermediar a paz, dizendo aos repórteres no domingo que havia discutido a idéia com os líderes da China e dos Emirados Árabes Unidos.

Perguntado sobre a sugestão de Lula, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse aos repórteres: “Quaisquer idéias que levem em conta os interesses da Rússia merecem atenção e certamente precisam ser ouvidas”

Vários países e líderes mundiais, incluindo o chinês Xi Jinping, o francês Macron e o presidente turco Tayyip Erdogan, tentaram se posicionar como possíveis pacificadores, quase 14 meses depois da guerra.

A Rússia diz que está aberta a conversações, mas deixou claro que estas só se realizariam em seus próprios termos. Diz que a Ucrânia deve aceitar as “novas realidades” no terreno — especificamente sua anexação de quatro territórios ucranianos, consideradas ilegais por Kiev e pelo Ocidente.

A Ucrânia tem repetidamente dito que não discutirá a paz ou um cessar-fogo até que as tropas russas deixem cada centímetro de seu território reconhecido internacionalmente, com o presidente Volodymyr Zelenskiy dizendo que qualquer trégua temporária simplesmente permitiria à Rússia se reagrupar para um futuro ataque.

A Bloomberg relatou na terça-feira que Macron estava tentando trabalhar com a China para elaborar um plano que pudesse ser usado como base para as conversações entre os dois lados.

O Kremlin disse que viu os relatos, mas que não tinha estado em contato com a França sobre o assunto. “Não temos conhecimento da existência de nenhum plano francês, não recebemos nada do lado francês”, disse Peskov.

Fonte: Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.