Margem de lucro na suinocultura faz frente ao aumento de custos de produção

O aumento nos custos de produção para o suinocultor é uma realidade, mas a margem obtida com as vendas a bons preços ainda dá folga ao produtor para repor o caixa após anos de crise, é o que dizem dois presidentes de cooperativas e associações brasileiras do setor. 

Esta semana, a divisão de Suínos e Aves da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) divulgou levantamento em relação ao mês de outubro que aponta que os custos de produção para a suinocultura subiram 2,17%. Os gastos com ração compõem a maior parte dos gastos, cerca de 76,49% em outubro. 

Apesar disso, segundo Dilvo Grolli, presidente da Cooperativa Agroindustrial de Cascavel (Coopavel), no Paraná, devido ao bom desempenho no Brasil nas exportações da carne suína, a posição da proteína foi totalmente revertida em relação ao status que ocupava no ano passado.

— “Em maio de 2018 o produtor vendia a R$ 2,50 o quilo, e tinha um custo de produção de R$ 3,50. Hoje, o preço de venda é, em média, de R$ 5,50, enquanto o custo está em torno de R$ 3,80. Isso nos dá uma margem de 45% que nos permite bancar a valorização do milho e da soja”, explica.

Segundo ele, “hoje o custo da ração é mais pou menos 75% relacioando a soja e milho, e se olharmos valorização de 15% do milho no ano de 2020, teremos ração com reflexo de 7% a 8%, mas isso se encaixa nessa margem de 45%”. 

Quem concorda é Valdecir Folador, presidente Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), no Rio Grande do Sul. Para ele, o produtor que está fora do sistema de integração verticalizado, seja com empresas ou cooperativas, acaba sentindo mais as variações, mas ainda assim tem obtido boas margens com as vendas. 

— “Estamos vendo que principalmente o milho tem sido valorizado, e vamos aguardar a primeira colheita aqui no Rio Grande do Sul, por volta de fevereiro, para ver como vai ficar. Apesar dessa alta do milho, a perspectiva de de valorização para o suíno, e essa alta para a proteína deve se manter”, diz Folador.

Analisando o mercado desde o início do mês de novembro, é possível ver a valorização do suíno vivo nas principais praças exportadoras do país. O quilo do animal no Paraná está batendo R$ 5,30, aumento de cerca de R$ 0,20 desde o começo do mês, e em Santa Catarina a valorização foi de R$ 0,17 no período, alcançando R$ 5,20. No Rio Grande do Sul o aumento foi de R$ 0,15, chegando em R$ 5,14 o quilo. 

EXPORTAÇÕES MELHORAM RENDIMENTO, MAS CAUTELA É A CHAVE

O aumento das importações pela China devido à crise com a Peste Suína Africana tem puxado as cotações para cima e representa o ponto fora da curva no mercado. Segundo Grolli, nos últimos quatro anos, a produção nacional de suínos estava na faixa de 3.600 toneladas em todo o Brasil, e a expectativa é que 2019 feche em 4 milhões de toneladas. “As exportações que estavam entre 500 a 600 mil toneladas, esse ano a perspectiva é de pular para 800 mil toneladas”, comemora.

O momento é bom, e deve durar até por volta de 2024, segundo Grolli e Folador. Esta é a janela para que a China comece a se recuperar desta crise, segundo Folador, já que “para se ter material genético (avós e matrizes para iniciar o plantel) para produzir um bom suíno, leva de 12 a 24 meses, e mais 24 meses para recompor o plantel para o abate”. além disso, ele destaca o tempo de espera para descontaminação do ambiente de maneira a garantir que a doença não volte.  

Sendo assim, ambos recomendam que o produtor deve aproveitar as boas vendas para saldar dívidas, fazer um bom caixa e, se optar em crescer, fazê-lo pensando nessa possível recuperação da China.

Folador exemplifica a necessidade de cautela citando a situação de mercado de suínos entre Brasil e Rússia no passado. “Até 2017 a gente tinha o problema da dependência de exportação para Rússia, que comprava mais ou menos 40% da proteína, hoje a Rússia representa 7%. Teve embargo por questões sanitárias, o que fez com que o suinocultor ficasse na mão. A entrada de carne suína na China hoje é de quase 60% só do Brasil. Já vimos esse filme e não podemos ficar nessa dependência”, afirma.

O prazo de quatro anos para recuperação da China, segundo Grolli, inviabiliza grandes investimentos em obras por exemplo, caso o produtor decida aumentar a infraestrutura. “Se entre projeto e obra leva mais ou menos dois anos, o tempo fica curto para que esse investimento comece a dar retorno”, explica. 

Fonte: Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.