Mercado de agroquímicos está mudando – 9ª AgrochemShow

O mercado de agroquímicos está mudando – essa é a principal mensagem passada na abertura da 9ª AgrochemShow, que iniciou nesta segunda-feira (22.08) em São Paulo. “As grandes empresas amargaram perdas nesse primeiro semestre de 2016. Haverá um processo de grandes mudanças no setor”, projetou Ma Chuyan, representante do sub-conselho de Indústria Química do CCPIT (China Council for the Promotion of International Trade).

A dirigente informou que reformas econômicas estão em pleno andamento na China: “Acreditamos que estamos regulando processo de qualidade e sustentabilidade. O setor está eliminando empresas não qualificadas, e os produtos chineses hoje estão buscando garantia de qualidade e segurança para a saúde”.

Jalen Fan, também membro do CCPIT, corroborou essa afirmação e acrescentou que a China já entrou “em um processo desenvolvido e maduro de regulamentação e registro. Cada empresa precisa, no mínimo, de três autorizações de órgãos diferentes para iniciar a produzir, podendo chegar a seis ou até mais”.

Ele lembrou que o consumo de agroquímicos no mundo chegou a nada menos que US$ 87 bilhões, principalmente para soja (16%), cereais (14%) e arroz (7%). A China é responsável por produzir 17% do total, enquanto o Brasil detém 16% e os Estados Unidos fabricaram 12%.

“A lei chinesa de agroquímicos foi criada em 1997, revisada em 2001 e está em processo de atualização esse ano, devendo ser apresentada em breve com tendência para a diminuição da burocracia e um planejamento para os próximos 13 anos. Após o país experimentar um grande crescimento do setor desde 2012, o momento é de estabilidade, com mais atenção à proteção ambiental – que é o grande problema da China atualmente. Mais de 150 empresas foram punidas apenas no ano passado, e muitas outras estão sob reavaliação”, explica Jalen Fan.

O representante do CCPIT afirma que o crescimento do mercado de pesticidas chinês deve ser em torno de zero, com expansão apenas no segmento de biodefensivos. O que os chineses buscam agora, segundo ele, são ferramentas que otimizem aplicações aéreas inteligentes, para as quais há muita demanda. Além disso, querem desenvolver uma plataforma de compra e venda online no Brasil e no Paraguai, assim como já existe na China.
 

 
Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.