Milho: colheita e dólar seguem pressionando cotações na B3

A Bolsa Brasileira (B3) opera com resultados em campo misto para os preços futuros do milho nesta terça-feira. As principais cotações registravam flutuações entre 0,89% negativo e 0,06% positivo por volta das 11h45 (horário de Brasília).

O vencimento julho/20 era cotado à R$ 44,45 com desvalorização de 0,89%, o setembro/20 valia R$ 43,47 com perda de 0,75%, o novembro/20 era negociado por R$ 46,15 com baixa de 0,54% e o janeiro/21 tinha valor de R$ 47,30 com alta de 0,06%.

As cotações brasileiras seguem refletindo o início dos trabalhos de colheita da segunda safra nacional e as movimentações cambiais, que por volta das 11h51 (horário de Brasília) registrava queda de 2,24% para o dólar ante ao real, sendo cotado à R$ 5,24.

Mercado Externo

Já os preços internacionais do milho futuro registravam leves ganhos na Bolsa de Chicago (CBOT) nesta terça-feira. As principais cotações registravam movimentações positivas entre 1,00 e 1,50 pontos por volta das 11h38 (horário de Brasília).

O vencimento julho/20 era cotado à US$ 3,24 com alta de 1,00 ponto, o setembro/20 valia US$ 3,28 com elevação de 1,00 ponto, o dezembro/20 era negociado por US$ 3,37 com valorização de 1,25 pontos e o março/21 tinha valor de US$ 3,49 com ganho de 1,75 pontos.

Segundo informações do site internacional Farm Futures, os preços do milho futuro subiram ligeiramente esta manhã após o aumento dos preços da energia.

Além disso, o USDA divulgou ontem os dados mensais de esmagamento de grãos e produção de coprodutos, fornecendo uma visão mais abrangente do uso de milho durante o auge da pandemia do COVID-19 em abril. O consumo total de milho caiu 36% em relação a março de 2020 para 299,0 milhões de bushels em abril, com as reduções na produção de combustível que eliminaram 165,3 milhões de bushels de demanda da produção de etanol.

“Mas houve alguns vislumbres de esperança no relatório de ontem. A produção industrial de álcool aumentou 4,0 milhões de bushels, para 11,8 milhões de bushels no consumo de milho em abril de 2020, após um aumento na demanda por desinfetante para as mãos. O consumo de milho por álcool também aumentou 2,3% durante o confinamento, pois os consumidores recorreram a formas alternativas de entretenimento para passar o tempo em quarentena. O total de abril de 2020 do consumo de milho para álcool foi o segundo maior já registrado, atingindo 4,1 milhões de bushels”, aponta a publicação.

Fonte: Notícias Agrícolas

LEIA TAMBÉM:

{module 441}

{module 442}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.