Milho dispara e deve subir mais


Imagem: Pixabay


O mercado de milho na Bolsa B3 de São Paulo fechou novamente em alta na última sexta-feira, 9 de Abril, com exceção de novembro que fechou em forte baixa de R$ 4,33/saca. Com isto, a cotação de maio fechou em alta de R$ 0,65 no dia e R$ 3,08 na semana a R$ 100,51; a de julho avançou R$ 0,64 no dia e R$ 3,23 na semana para R$ 95,85 e a de setembro avançou R$ 0,33 no dia e R$ 3,26 na semana para R$ 89,98.

De acordo com a Consultoria TF Agroeconômica, o mercado está confirmando a escassez de que vínhamos falando desde o final do ano passado, ignorando totalmente o relatório mensal Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). “Hoje soubemos em primeira mão que a JBS está começando a importar milho da Argentina, que confirma não somente a escassez, mas a possibilidade de elevação de preço”, apontam os analistas de mercado. 

A JBS entrou em contato com o Agrolink e desmentiu a informação de que estaria comprando milho da Argentina.


“Como faltam ainda dois meses antes do início da colheita e disponibilidade da nossa Safrinha, é possível que os preços se elevem ainda mais, embora usando de cautela, diante dos níveis elevados em que se encontram”, acrescentam. Confira o conjunto de fatores faz prever preços elevados para safra 2021, com bons lucros para os agricultores:

{module Form RD}

FATORES DE ALTA

*Escassez brasileira atual, confirmada pela importação de milho argentino nesta sexta-feira;

*Problemas climáticos no Brasil por plantio de 30% da safrinha fora da janela adequada, que poderão reduzir a produção;

*Dólar elevado, contribui para a probabilidade de aumento da exportação de milho brasileiro, enxugando a disponibilidade interna;

*Forte redução dos estoques nos EUA poderão provocar aumento nas exportações brasileiras, redução da disponibilidade interna e manutenção dos preços elevados e muito lucrativos para os agricultores também na safra 2021;

FATORES DE BAIXA

* Nenhum a curto prazo;

* No longo prazo, leve pressão nos preços durante a colheita da Safrinha, mas que não deverá tirar a boa lucratividade do milho na safra 2021.

Por: Leonardo Gottems | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.