Milho: Maizall trabalha para amenizar barreiras comerciais da União Europeia



Imagem: Adobe Stock


Um dos pilares da Aliança Internacional do Milho (Maizall) é trabalhar tecnicamente com dados e informações científicas para esclarecer aos países da União Europeia sobre o uso da biotecnologia e dos Limites Máximos de Resíduos (LMRs). Para debater o assunto, os representantes da Maizall (da qual a Abramilho faz parte), da Asociación Maíz y Sorgo Argentino (Maizar), da U.S Grains Council e da National Corn Growers Association dos Estados Unidos – estiveram reunidos no 1º Congresso da Abramilho, no painel “Biotecnologia: o mundo pode se alimentar sem ela?”.

O presidente da Maizall Federico Zerboni contou que em março de 2023, a entidade fez uma missão à União Europeia, onde realizou encontros com representantes da Organização Mundial do Comércio (OMC), do parlamento europeu e produtores rurais. Federico Zerboni destacou que, apesar do Pacto Ecológico Europeu e das diretrizes do Farm to Fork, os produtores da região têm interesse em utilizar biotecnologia e práticas agrícolas mais modernas, mas enfrentam o dilema de perder subsídios governamentais.

{module Form RD}

O diretor da Abramilho, Bernhard Kiep, alertou para o risco de um aumento significativo nos custos de produção para os agricultores brasileiros de milho devido à possível suspensão do uso de moléculas já aprovadas dentro dos países membros da Maizall.

Além disso, o Brasil enfrenta duas legislações que servirão como barreiras para os produtos brasileiros na União Europeia: o Due Diligence do Desmatamento e a Pegada de Carbono na Fronteira.

O Due Diligence do desmatamento estabelece medidas de mitigação para a entrada de produtos provenientes de áreas desmatadas. Os países serão classificados de acordo com o risco de desmatamento: baixo, padrão ou alto. Essa classificação determinará a porcentagem de cargas que serão fiscalizadas na entrada do bloco europeu, com 1% para baixo risco, 3% para médio risco e 9% para alto risco de desmatamento. Produtos como soja, gado, cacau, café, madeira, borracha e óleo de palma estão sujeitos a essa regulamentação, e embora o milho tenha sido inicialmente incluído na lista, posteriormente foi retirado.

Quanto à política de pegada de carbono na fronteira, também conhecida como Mecanismo de Ajuste de Carbono na Fronteira (CBAM), seu objetivo é combater as chamadas “emissões de vazamento de carbono”, que ocorrem quando indústrias transferem sua produção para fora da União Europeia para evitar regulamentações climáticas mais rigorosas. Vale reforçar que a CBAM não abrange produtos agrícolas, com exceção de fertilizantes. A UE planeja lançar o CBAM em fases, começando com um esquema de monitoramento em 2023, seguido por um período de teste e implementação gradual a partir de 2026.

Bernhard finalizou dizendo que essas questões exigem a união da Maizall para serem superadas. “Estamos trabalhando para mostrar que essas regulamentações são impraticáveis. O ideal seria o bom senso prevalecer dando razão aos membros da Maizall. Nós já temos todos os argumentos técnicos, mas é preciso trabalhar também com a sociedade civil para que eles entendam a nossa realidade. Se não fizermos isso, o mundo pode passar fome”, concluiu o diretor da Abramilho.

Fonte: Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários. *Estamos de férias coletivas e voltaremos às atividades dia 04/01/2024. Boas festas!

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.