De olho na colheita dos EUA, mercado do milho opera com baixas nesta 3ª feira na CBOT

De olho na colheita dos EUA, mercado do milho opera com baixas nesta 3ª feira na CBOT
Imagem: Adobe Stock

Na tarde desta terça-feira (24), as referências futuras do milho, além disso, seguem trabalhando com baixas na Bolsa de Chicago (CBOT). Por volta das 12h57 (Horário de Brasília), os principais contratos operam com quedas de 4,50 a 5,00 pontos.

O vencimento contrato dezembro/23 trabalhava em US$ 4,85 por bushel e com baixa de 5,00 pontos. O vencimento março/24 valia US$ 4,99 por bushel e com recuo de 4,50 pontos. O mercado negociava o contrato de maio de 2024 a US$ 5,07 por bushel, registrando uma desvalorização de 4,75 pontos, enquanto o contrato de julho de 2024 estava avaliado em US$ 5,12 por bushel, sofrendo uma queda de 4,50 pontos. Portanto, a situação do mercado de milho na CBOT permanece desafiadora.

Segundo as informações da Reuters Internacional, os contratos futuros do milho em Chicago caíram pela terceira sessão consecutiva nesta terça-feira, atingindo mínimas de uma semana, enquanto os mercados permaneciam pressionados pelo avanço da colheita nos EUA.

No relatório semanal divulgado após o fecho do mercado de segunda-feira, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) divulgou estimativas importantes. Eles afirmaram que os agricultores norte-americanos haviam colhido 75% de sua safra de soja até domingo. Além disso, relataram que 59% da safra de milho já estava colhida até o mesmo dia.

CBOT e B3

Na Bolsa Brasileira (B3), analogamente, as negociações futuras do milho seguem operando com desvalorizações. As principais cotações trabalhavam, enfim, com valores na faixa entre R$ 59,54 a R$ 63,38 por volta das 13h00 (horário de Brasília).

O vencimento novembro/23 era cotado a R$ 59,54 com decerto desvalorização de 0,57%, o janeiro/24 valia R$ 63,38 com queda de 0,95%.

O mercado já vem sentindo este peso do dólar desde o início da semana, bem como a liquidez um pouco mais contida, com negócios internos mais tímidos, porém, com exportações ainda bastante fortes.

“Os negócios estão fluindo e a maior parte com destino aos portos e pouco para o mercado interno que continua mostrando fraco interesse dos compradores das indústrias de ração que apontam que receberam muito milho da safrinha a fixar e, desta forma, vão trabalhar com este grão, atuando pouco no milho livre”, explica o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting.

Fonte: Andressa Simão | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários. *Estamos de férias coletivas e voltaremos às atividades dia 04/01/2024. Boas festas!

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.