Ministro da agricultura confirma reestruturação de edital para arroz

Ministro da agricultura confirma reestruturação de edital para arroz
Imagem: Canva

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPADR) da Câmara dos Deputados recebeu em audiência pública, nesta quarta-feira (19), o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, para falar sobre a necessidade de importação de arroz. Apesar das manifestações contrárias à continuidade do leilão, o chefe da pasta afirmou que o Governo Federal não desistiu da compra, mas irá reestruturar o edital.

De acordo com o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), o deputado federal Pedro Lupion (PP-PR), o questionamento da compra de arroz não é político ou com relação à estratégia do Poder Executivo. Entretanto, segundo ele, não há justificativa para usar uma medida provisória para comprar, de forma emergencial, um arroz que não será comprado de produtores do Rio Grande do Sul e nem será distribuído por lá.

“A própria Conab reconhece que não há necessidade de compra. Liberar R$ 7 bilhões fora do teto para usar dinheiro dessa forma, não é nem questão essencial sobre o arroz, mas de onde vem. Não existe desabastecimento e tem 84,5% do estoque de arroz colhida e pronta para ser distribuída. Simplesmente não há o que questionar e nem porque usar um decreto emergencial para uma compra dessas”, explicou.

Deputados confrontam governo sobre leilão de arroz

O deputado Afonso Hamm (PP-RS), lembrou que o convite para o ministro é diante da urgência do caso. Ele também criticou o fato do governo “torrar” R$ 7 bilhões em importação de arroz. Para o parlamentar, existe a necessidade da criação de um programa emergencial para reconstruir o Rio Grande do Sul.

“O leilão é um verdadeiro absurdo. Devemos destinar o dinheiro para a reconstrução de propriedades rurais, para dar dignidade ao produtor. Essa sim é uma defesa ao agro gaúcho e ao desenvolvimento do país”, destacou Hamm.

Já Marcel van Hattem, ressaltou que a insistência no leilão do arroz por parte do Governo Federal é uma ofensa ao povo gaúcho. Ele enfatiza que os cidadãos gaúchos têm outras prioridades. “O governo propôs algo absurdo, pois pensou nisso sem ter previsão de enchente alguma. E o pior, insistem em continuar no erro e querem seguir com o leilão”, disse ele.

De acordo com o deputado Rodolfo Nogueira (PL-MS), o leilão do governo não é de arroz, mas “de marmelada”. Para ele, o setor agropecuário vive o pior momento da história e que o governo se recusa a escutar o produtor rural.

“O governo negou a prorrogação dos custeios, e a grande maioria dos produtores está endividada por isso. Colocam juros absurdos e vem aqui dizer que pensam no trabalhador rural. Aí surgem com esse leilão que não tem pé nem cabeça e querem insistir na mentira de que é bom para o produtor”.

Ministro da Agricultura

O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, tentou por diversas oportunidades, explicar o leilão de arroz como uma saída para controlar o preço do produto, diante de uma situação de “tragédia”. Ele afirmou que, mesmo com arroz disponível, a situação de calamidade no Rio Grande do Sul faria o preço subir, e tanto o governo federal quanto a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) fizeram o que se devia fazer.

“A decisão de comprar arroz foi do governo. Não quer dizer que o objetivo é concorrer com o produtor, mas é papel do governo dar estabilidade. Não se trata, ainda, de afrontar os produtores ou desestimular a produção de arroz, ao contrário. O fato real é que o arroz aumenta o preço diante da tragédia mesmo com arroz disponível. O Governo e a Conab cumpriram seu papel”, reforçou.

Fávaro também acrescenta que o governo não abdicará de continuar com o leilão e reestruturará o edital. Para o ministro, há uma falta de interesse de empresas brasileiras em participar e contribuir com o abastecimento de forma eficiente para o mercado brasileiro. Fávaro também afirma que melhorias serão feitas para os próximos editais.

“A Conab não qualifica quem pode ou não participar, mas isso pode ser aperfeiçoado. Depois vimos que algumas empresas que se habilitaram para o leilão não têm perfil, mas não podemos julgar antes de saber. Nós anulamos o processo porque faz parte e é do ato da gestão, combater qualquer tipo de conflito de interesses”.

Sobre a demissão do ex-secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, Fávaro disse que “apesar do ato falho de ter o filho ligado com a empresa que operou esse leilão”, não teve nada de errado que pudesse sofrer condenação.

“Mas precisa ser investigado. Por isso, o presidente Lula determinou que a CGU faça a investigação, que a Polícia Federal faça a investigação”, concluiu.

CPI do Arroz

O deputado federal Giovani Cherini (PL-RS), integrante da FPA, entende que o único caminho para desvendar o real interesse dos leilões é assinar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do arroz. O parlamentar chamou a compra de “desnecessária e obscura” e lembrou que o agro é o único segmento que consegue dar sustento à economia do Brasil.

“Eu tinha admiração pelo ministro, mas não tenho mais. Ele espalha uma narrativa de que era necessário comprar arroz e ainda com uma forma obscura. O único setor que segura a economia é o agro. mas está acontecendo o maior desânimo do agro brasileiro. Não temos segurança jurídica e nem ministro”, lamentou Cherini.

O também gaúcho, Tenente Coronel Zucco, corroborou a opinião do colega sobre a CPI e questionou uma das justificativas do ministro Fávaro, que argumentou que o governo foi alvo de ataque especulativo sobre o arroz.

“A CPI do Arrozão, dependendo do que conseguirmos avançar, vai ter ministro que vai cair. Ainda mais com esse papo de ataque especulativo que é uma balela, pois foi o governo que anunciou de maneira irresponsável que iria importar 1 milhão de toneladas de arroz. Essa especulação partiu do governo e não do produtor gaúcho, o que torna ainda mais escandaloso esse leilão”, finalizou.

Fonte: Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.