Na Indonésia, ministra negocia abertura de mercado para carnes brasileiras

Na última etapa da missão à Ásia, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) reuniu-se nesta segunda-feira (20) com o ministro da Agricultura da Indonésia, Amran Sulaiman, para discutir a abertura do mercado de carnes brasileiras para o país asiático.

Durante o encontro, a ministra pediu uma resposta sobre missão técnica que visitou frigoríficos de diversos estados brasileiros em abril de 2018. Tereza Cristina destacou que o Brasil tem condições de suprir a demanda por proteína animal dos indonésios, principalmente de carne bovina, sendo um fornecedor alternativo e com preços mais baratos em relação à carne da Austrália, de onde vem a maior parte da carne consumida no país.

 “É um país que tem 270 milhões de pessoas. Se você somar o Vietnã e Indonésia, teremos um mercado de quase 300 milhões de pessoas que podem consumir vários produtos do agro brasileiro”, disse Tereza Cristina.

Frutas especiais e óleo de palma

Já o ministro Sulaiman pediu a redução das tarifas para óleo de palma, importado pelo Brasil.

O Brasil cobra 20% na importação do óleo de palma. Já os indonésios querem 2,5%, o mesmo percentual aplicado à soja. Eles argumentam que compram soja brasileira em grande quantidade, são os únicos exportadores de óleo de palma para o Brasil e o ajuste nas tarifas irá beneficiar os pequenos produtores indonésios. De acordo com Tereza Cristina, o governo está avaliando as tarifas de importação e irá analisar o pedido do país.

Segundo ministro, eles querem ampliar a pauta de exportações, com a venda de frutas especiais, com mangostim e fruta da serpente.

Já em encontro com a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Indonésia (Kadin), empresários se ofereceram para destravar a importação de carne halal (que segue princípios islâmicos na produção e no abate).

Cooperação

Os indonésios – tanto o ministro da Agricultura quanto empresários – mencionaram interesse em projetos de cooperação em setores da agropecuária, como genética pecuária.

A ministra afirmou que a Embrapa poderá ajudar na formulação dos projetos.

Celulose

O último compromisso da comitiva brasileira foi um jantar de trabalho oferecido por empresários indonésios com negócios no Brasil e pelo Comitê Brasil da Kadin, presidido por Anderson Tanoto.

Presidente mundial do Grupo RGE (Royal Golden Eagle), conglomerado indonésio na área de celulose, Tanoto confirmou instalação de unidades da empresa no interior de São Paulo. O grupo já tem operações na Bahia.

Tereza Cristina reafirmou que os investimentos no setor de celulose permitiram o desenvolvimento de áreas pobres de Mato Grosso do Sul, seu estado de origem, com geração de empregos e qualidade de vida. 

Postagem | Marina Carvejani 
Autor |  MAPA

 

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.