Na região Norte é época de colher feijão e jambu

A região Norte está encerrando a colheita de cacau e de arroz, e se prepara para iniciar a colheita do feijão. Nesta época do ano também tem destaque a colheita de hortaliças em geral, além de plantios de frutíferas, grãos e mandioca, principalmente. A região, que é geralmente úmida, deve ter as chuvas acentuadas com a chegada da primavera. 

No caso do feijão, o destaque é  para a colheita da espécie caupi. De origem africana, ele também é conhecido como feijão de macassar e, mais popularmente, como feijão-de-corda. “Temos no Pará a região de Bragantina, que é uma área tradicionalmente de cultivo do feijão-caupi”, conta o coordenador técnico da Emater-PA, Paulo Lobato. “É um feijão de consumo regional mas que tem sido bastante exportado”, conta. A feijão-caupi é muito presente na culinária do Norte e Nordeste do país. Ele é o preferido no preparo do baião de dois, prato típico das regiões.  

Na colheita das hortaliças se destacam a couve, cheiro verde (salsa, cebolinha e coentro), alface e o jambu. “A hortaliça mais colhida agora é o jambu. É que com a festa do Círio de Nazaré, em outubro, a demanda por ele é muito grande”, explica Paulo Lobato.

O jambu é muito usado na culinária da Amazônia e é famosa por causar uma leve dormência na boca. O sistema de cultivo é o tradicional, com água, sol e adubo. A hortaliça é vistosa, tem muitas folhas e atinge até 30 centímetros de altura. É usada no preparo de receitas típicas, como o pato com tucupi e o tacacá.

Assistência técnica

Para os agricultores familiares que se preparam para aproveitar o período chuvoso e plantar, Paulo Lobato dá algumas orientações. Entre as quais, destaca a importância acompanhamento de um agente de Assistência Técnica e Extensão Rural, que poderá fazer um diagnóstico da unidade de produção. “É necessário identificar, dentre outras coisas, as potencialidades e limitações da propriedade e, a partir daí, trabalhar junto com a família no planejamento das atividades, identificar inclusive a necessidade de crédito rural”, diz o engenheiro agrônomo.  

“É preciso avaliar a capacidade de mão de obra da família, as condições de produção, o mercado para os produtos já trabalhados e para os que se deseja trabalhar, condições de escoamento da produção e a capacidade de endividamento da família, caso tenha de acessar um financiamento via Pronaf”, acrescenta.

Ele diz que é preciso que o preparo do solo seja feito logo nas primeiras chuvas, para evitar o excesso de umidade, que torna o solo mais “pesado”, aumentando o consumo de combustível do trator, além de comprometer a qualidade do trabalho. “Para os solos mais argilosos, deve-se trabalhar na camada mais superficial, apenas para revolver a terra e facilitar o plantio, principalmente no caso do arroz de várzea”, destaca.  “No caso de solos muito ácidos, deve-se incorporar o calcário por ocasião da aração e gradagem, de modo a minimizar custos e favorecer de neutralização da acidez”, explica Paulo Lobato.

 

Fonte: Portal do Ministério do Desenvolvimento Agrário

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.