O agro é o porto seguro da economia brasileira?

Em um ano de turbulências e desafios, o agronegócio brasileiro é, mais uma vez, o porto seguro da economia brasileira. A primeira notícia positiva diz respeito ao fato de não faltar alimentos (de origem vegetal ou animal) nos supermercados durante a pandemia. Em outros países, especialmente nos importadores – como a China, o problema foi sério e exigiu grande esforço das autoridades para compra emergencial de comida.

De acordo com o artigo Campo tem safra de boas notícias, de Julio Borges Garcia, Presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), o Brasil está do outro lado da mesa, o de fornecedor global de alimentos. Nosso país produz grãos, fibras e bioenergia para atender às necessidades de mais de 1,2 bilhão de pessoas em quase 200 países espalhados por todos os continentes. Esse contingente representa quase 20% da população global.

Nesse campo, há mais notícias auspiciosas. Nos primeiros oito meses de 2020, o Brasil exportou 9,2% a mais em produtos agropecuários, superando US$ 61 bilhões em receita, um recorde para o período. Destaque incontestável para a soja e as carnes (frangos, suínos e bovinos). As vendas externas da soja – principal produto agrícola do país – já atingiram 74 milhões de toneladas, com aumento de 34% sobre o mesmo período do ano passado.

Importante destacar, também, que soja e milho representam de 60% a 70% da alimentação animal, sendo mais uma contribuição indiscutível da agricultura para o sucesso da produção e exportação de proteínas animais.

Continua depois do formulário
{module 442}

Para o suporte da performance impressionante no comércio mundial, o Brasil colheu este ano a maior safra de grãos da sua história. Foram 254 milhões de toneladas. A notícia é ainda melhor. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento diz que a previsão é atingir 278,7 milhões de toneladas no próximo ano. São quase 25 milhões de grãos a mais. Se o tempo ajudar, 2021 promete ser novamente positivo para o campo, e o Brasil permanecerá suprindo as necessidades internas e externas de alimentos. Mais uma vez, milho e soja são as estrelas, com aumento de 10 milhões de toneladas (cada).

Na base desse desempenho produtivo espetacular, uma série de engrenagens trabalha para a proteção dos cultivos contra inimigos muitas vezes invisíveis, mas terrivelmente agressivos. O mesmo clima tropical do Brasil que permite até três colheitas por ano também é o ambiente ideal para a proliferação de um exército de pragas, doenças, fungos, bactérias e ervas daninhas, que atacam as lavouras para impedir o aumento da produção. A quebra da safra poderia atingir 40% ou 100 milhões de toneladas de alimentos a menos se não houvesse a adoção de tecnologias. O combate a esses agentes nocivos é feito, entre outros, pelos defensivos agrícolas, que cumprem sua função de proteção e controle das plantas, possibilitando assim o aumento da produtividade da agricultura brasileira, com maior oferta de alimentos para atender à crescente demanda interna e global.

Devido ao grande trabalho dos agricultores e criadores brasileiros e ao controle das pragas e doenças o PIB agro deve crescer 3,2% em 2021, fortalecendo a participação do setor agropecuário no Produto Interno Bruto total – lembrando que o campo foi o único segmento que cresceu no 2º trimestre deste ano. Esse desempenho também impulsiona o chamado Valor Bruto da Produção (VBP), que representa o preço de venda dentro das propriedades rurais.

Em 2020, o VBP atingiu R$ 742 bilhões, com crescimento de 10,1% sobre o ano passado. Em 2021, está previsto novo salto, mostrando que a agropecuária se mantém como um setor dinâmico e em crescimento, que coloca mais comida na mesa das pessoas.

Fonte: Agrolink

LEIA TAMBÉM:

{module 441}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.