O Ministério da Agricultura da Ucrânia diz que a Rússia exportou pelo menos 400.000 toneladas de grãos do país desde a invasão

Imagem: Pixabay


A Rússia exportou pelo menos 400.000 toneladas de grãos dos territórios ucranianos ocupados, a Ukrinform relatou um ministro da agricultura ucraniano como tendo dito.

A alegação foi feita pelo primeiro vice-ministro da política agrária e alimentar da Ucrânia, Taras Vysotskyi, ao projeto da RFE/RL, “Crimean Realities”, de acordo com o relatório de 26 de junho.

“Na época da ocupação atual, havia cerca de 1,5 milhões de toneladas de grãos nestas áreas, de acordo com os registros de elevadores”. Recebemos informações de ucranianos que permaneceram nesses territórios sobre o fato da exportação. Se somarmos todos estes casos, isto é cerca de 400.000 toneladas”, disse ele.

De acordo com o Center for Food and Land Use Research da Kyiv School of Economics (Instituto KSE), as perdas da agricultura ucraniana decorrentes da invasão em larga escala já atingiram US$ 4,3 bilhões, acrescentou Vysotskyi.

“A Rússia está destruindo deliberadamente a infra-estrutura agrícola”, disse ele.

{module Form RD}

Neste contexto, o ministro alemão das Relações Exteriores disse que a Rússia transformou uma onda de crises alimentares em um “tsunami” ao bloquear 25 milhões de toneladas de exportação de grãos dos portos da Ucrânia, informou The Guardian.

Falando no início de uma conferência interministerial sobre alimentos em Berlim, antes da reunião do G7 realizada de 26 a 28 de junho na Alemanha, Annalena Baerbock disse que 345 milhões de pessoas no mundo inteiro estavam atualmente enfrentando escassez de alimentos, de acordo com o relatório de 24 de junho.

A Rússia estava usando a fome como uma arma de guerra, disse Baerbock.

Em resposta aos comentários da Baerbock, o ex-presidente e primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, disse: “É incrível ouvir isso de funcionários que mantiveram Leningrado em bloqueio por 900 dias, onde quase 700.000 pessoas morreram de fome”.

Entretanto, as críticas de Baerbock à Rússia foram apoiadas por Arif Husain, o economista chefe do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (ONU), que disse que não eram as sanções que estavam causando a crise alimentar, mas a guerra. “Temos a tendência de abordar os sintomas e esquecer a causa principal, e a causa principal é a guerra”, disse ele.

Mais de 40 países estavam agora enfrentando uma inflação alimentar superior a 15%, disse Husain, e mais de 30 economias haviam visto sua moeda desvalorizar-se em mais de 25%.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – www.DeepL.com/Translator

Por: Oils & Fats Internacional (OFI) 

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.