O que representa a redução da mistura de biodiesel?


Imagem: Adobe Stock

A redução da mistura obrigatória de biodiesel no diesel para 10% em 2020, decisão tomada pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) no último dia 29 de novembro, segue repercutindo no setor. Em 2018 o mesmo órgão havia definido a progressão da mistura obrigatória para cinco anos ficando em 11% em 2019,12% em 2020, 13% em 2021, 14% em 2022 e 15% em 2023. Por isso o recuo pegou o setor produtivo de surpresa. A cadeia havia se preparado para esse aumento.

“Essa decisão sepultou as esperanças do setor de que poderíamos ter com o Renovabio uma política de estado definitiva. É muito estranho manter em 10% no ano que vem”, destacou Francisco Turra, presidente da Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil (Aprobio).

{module Form RD}

O biodiesel, na composição do preço final do diesel, representa 9%, e este ano teve um aumento de 0,1%. Já o petróleo, que representa o resto no preço ao consumidor, descontando impostos e fretes, aumentou mais de 60% em 2021. Para os produtores, a conta ficará assim: esses 3% a menos de produção representa que o setor deixará de produzir 2,4 bilhões de litros a mais, sobre os 6,4 bilhões/l que representam os 10%. Isso é mais ou menos 3 milhões de toneladas a menos de soja, a principal biomassa, e alguns bilhões de reais que toda a cadeia deixará de arrecadar.

Para Donizete Tokarski, Diretor Superintendente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio), a medida impacta a economia. “Reduz emprego no interior que é a grande necessidade hoje desse contingente de pessoas desempregadas no Brasil. Isso pode até fechar indústrias de biodiesel. Temos hoje 54 indústrias de biodiesel espalhadas por todo país”, completa.

Outras entidades ajudaram a engrossar o discurso contra o governo. As Aprosojase a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representam os agricultores e criadores destacam outro problema: da extração do óleo sobra o farelo. E, com mais farelo, menor os custos de produção nas granjas e confinamentos, num momento no qual se coloca em dúvida, novamente, os custos de insumos para o próximo ano. Com menos farelo custos mais altos e que devem impactar, também no consumidor.

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) ressalta os prejuízos. “Isso vai gerar uma redução de US$ 2,5 bilhões de renda para o Brasil porque esse biodiesel será substituído pelo diesel importado e aí nós vamos gastar US$ 1,2 bilhão em importação de diesel fóssil”, comenta o presidente da entidade, André Nassar.

Por: Eliza Maliszewski | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.