ONGs acusam a Bayer de ocultar dados sobre o risco do glifosato

ONGs acusam a Bayer de ocultar dados sobre o risco do glifosato
Imagem: Pixabay

Um grupo de ONGs entrou com uma ação em um tribunal austríaco. Alegam que a Bayer ocultou dados sobre os riscos à saúde. A exposição ao herbicida glifosato é o foco da controvérsia, conforme relatado pelo Phys Org.

Em setembro, a Comissão Europeia propôs renovar a autorização de uso do glifosato na UE por 10 anos. Isso ocorreu após um relatório da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos que não encontrou motivos para bloqueá-lo. A notícia foi divulgada em 4 de outubro. Essa medida provocou uma reação negativa de grupos ambientalistas. Esses grupos alegam evidências científicas de que o glifosato pode causar câncer, envenenar a vida aquática e ser fatal para os principais polinizadores, como as abelhas.

No teste de estrada, usamos dois tipos de mistura, e a Bayer e alguns especialistas contestaram essas alegações.

Promotores em Viena abriram um inquérito em 2019 depois que ONGs entraram com ações alegando os riscos do herbicida, como relatado no texto.

Como parte desse inquérito, a associação Global 2000 entregou novos documentos aos promotores. Segundo ela, esses documentos mostraram que a Bayer não havia apresentado resultados de pesquisas. Essas pesquisas indicavam riscos para o sistema nervoso, especialmente para mulheres grávidas e crianças.

A associação disse que, juntamente com o PAN Europe, apresentou uma declaração de fatos ao Ministério Público de Viena em 27 de setembro.

Acusações de ocultação de dados sobre glifosato pela Bayer levantam preocupações

A Bayer, no entanto, em seu pedido de reautorização, excluiu erroneamente dados desfavoráveis. Também apresentou resultados de forma enganosa, além disso, tentando enganar autoridades e o público. Helmut Burtscher-Schaden, bioquímico da organização ambiental austríaca independente Global 2000, afirmou isso em entrevista à AFP.

A Bayer, que vende o glifosato amplamente utilizado sob a marca Roundup, negou ter “ocultado quaisquer estudos científicos”, dizendo em um comunicado que “sempre agiu de forma totalmente transparente”.

Desde que comprou a empresa agroquímica norte-americana Monsanto, proprietária do Roundup, por US$ 63 bilhões em 2018, a Bayer tem enfrentado uma série de desafios judiciais.

Em 2021, um tribunal de apelações de São Francisco ordenou que a empresa pagasse US$ 87 milhões a um casal que alegou ter contraído linfoma não-Hodgkin após usar o Roundup por anos.

A Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer da Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou o glifosato como um “provável carcinógeno”.

“Achamos importante que os tomadores de decisão saibam que as avaliações de risco foram baseadas em dados incorretos ou incompletos,” disse Burtscher-Schaden.

A Global 2000 e a PAN Europe eventualmente juntaram-se à Generations Futures, sediada na França, para apresentar o último pedido, por exemplo, segundo o relatório.

Fonte: Oils & Fats International

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.