Panorama de cultivo de milho, sorgo e girassol na Argentina

Panorama de cultivo de milho, sorgo e girassol na Argentina
Imagem: Canva

A Bolsa de Cereais de Buenos Aires (BCBA) divulgou recentemente informações cruciais sobre o estado das principais culturas agrícolas na região. Vamos analisar detalhadamente o cenário atual para a soja, milho, sorgo e girassol.

Para a soja, a semeadura foi concluída, apresentando um progresso de 1,2 ponto percentual na última semana. Notavelmente, 91% das plantações estão em condição classificada como Normal/Excelente. Além disso, 14% da cultura já está no período crítico, indicando um desenvolvimento significativo.

“Altas temperaturas registradas nos dias anteriores a este relatório, combinadas com a falta de precipitação, resultaram em uma queda de 13 pontos percentuais nas áreas que inicialmente apresentavam condição hídrica ótima/adequada. Além disso, a condição de cultivo normal/excelente sofreu uma redução menor, de 6,5 pontos percentuais, impulsionada pelos lotes localizados no Norte de La Pampa-Oeste de Buenos Aires, que observaram sintomas de estresse hídrico”, comenta.

Desafios climáticos e pragas afetam colheitas: Impactos no milho, sorgo e girassol

No caso do milho, desafios climáticos, como altas temperaturas, resultaram em uma queda de 15,4 pontos percentuais na condição hídrica ótima/adequada. Os cultivos precoces estão no estágio de enchimento de grãos, enquanto os tardios entram no período crítico, principalmente na região central da área agrícola.

A semeadura do sorgo atingiu 92,7% dos campos, indicando um progresso significativo. Contudo, a presença do pulgão amarelo está gerando preocupações e causando impactos na condição dos cultivos. Quanto ao girassol, já colheram 11,5% da área apta, alcançando um rendimento médio de 16,8 qq/Ha. A colheita concentra-se principalmente no norte e centro da área agrícola nacional.

“O progresso da colheita está em 11,5% da área total, registrando um rendimento médio de 16,8 quintais por hectare. A condição hídrica ótima/adequada diminui para 49% (na semana anterior era 70%), devido à combinação de dois fatores: uma alta demanda de água pelos cultivos e pelo ambiente, associada a temperaturas elevadas. A evolução das precipitações durante a próxima semana determinará o impacto da falta de umidade nos lotes”, conclui.

Fonte: Leonardo Gottems | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.