Passo a passo para um manejo de resistência

Recentemente o FRAC anunciou a mutação do fungo Phakopsora pachyrhizi em relação às Carboxamidas. A notícia surpreendeu produtores e pesquisadores, pois a reação que gerou a resistência da ferrugem na sojicultura chegou mais cedo do que imaginavam. 

O aumento da recorrência de organismos mais fortes acontece por conta da pressão de seleção, no qual os defensivos são o fator-chave. Segundo dados colhidos nas últimas safras, o número de aplicações de fungicidas vem em uma crescente e ao utilizar sempre o mesmo modo de controle, os organismos desenvolveram tal resistência.

Para que eventos como este se tornem cada vez menos recorrentes, não se deve colocar toda a carga de responsabilidade do controle da ferrugem apenas para os fungicidas: é necessário um manejo de resistência.

Clima
Não conte com a sorte. Não temos como saber quando e se a lavoura enfrentará a infestação da ferrugem. A única coisa que temos certeza é de que a plantação está suscetível. Por mais que sua cultura não apresente nenhum foco da doença, o manejo de resistência é necessário. 

Por se tratar de um fungo que se propaga pelo ar, o clima é peça-chave neste problema. Portanto, algumas adequações são importantes. Desde a época do plantio à escolha dos defensivos é necessário que leve tal fator em consideração.

Pelo risco da doença chegar mais cedo do que no ano passado, é recomendado que os produtores façam a semeadura o mais cedo possível, como forma de escapar da época de maior incidência da ferrugem. Quanto menos expor a cultura ao fungo, melhor.

Por conta da facilidade de transporte, o problema que é local pode se tornar, até mesmo, internacional ou seja, rapidamente pode chegar ou vir de países vizinhos. 

 

Monitoramento
Vá ao campo. O contato direto com a lavoura permite que a identificação do fungo seja mais rápida, evitando grandes perdas.  Informe-se via web e com vizinhos sobre a situação da doença. Trabalhe preventivamente, afinal é melhor prevenir do que remediar. 

Produtos
Escolha direito. Apesar de o custo ser sempre um dos fatores a ser levado em consideração, o principal “driver” de decisão seria o custo-benefício.  Evite usar produtos com menor eficiência. Quanto menos eficaz o produto for, mais aplicações precisarão ser feitas e, consequentemente, os organismos se tornarão mais resistentes. Além disso, resultará num controle menos efetivo da doença, consequentemente, com maiores perdas.
O modo de ação dos fungicidas é um ponto importante no que diz respeito à escolha dessas ferramentas. Para potencializar a ação do manejo, a utilização de produtos multissítio – ou protetores, como são conhecidos – fazem total diferença. 

Aplicação
Siga as regras. Respeite sempre as recomendações de dose e intervalo, elas não existem à toa. Existem muitas pesquisas por trás de um produto. Segurança tanto para o agricultor quanto para a lavoura em primeiro lugar.
Qualidade é fundamental. Não adianta ter o mais potente dos fungicidas e não ter uma boa utilização. A tecnologia de aplicação para os fungicidas, e dos protetores, em especial, é fator primordial para o sucesso no controle da ferrugem asiática. Deve ser feita da melhor maneira possível, respeitando os limites climáticos e adequando-se ao operacional das propriedades.

O manejo de resistência preconiza a maior variação possível de princípios ativos, de preferência de forma alternada, diminuindo, assim, a velocidade do aparecimento e mutações do fungo causador da ferrugem. O ideal é que os protetores estejam presentes em todas as aplicações.

Pense bem. Em condições normais, a não utilização dos fungicidas pode ter como consequência uma queda na produtividade. A ferrugem é imprevisível, rápida na adaptação, dinâmica e traiçoeira. Uma sócia indesejável cuja participação no seu negócio somente você tem o poder de decidir de quanto será. Ao optar por não utilizar os fungicidas protetores, o produtor entra em uma zona de risco muito grande, na qual boa parte de sua safra pode ser completamente comprometida.

Por mais que a resistência da ferrugem na soja tenha sido detectada ainda em uma área limitada, a presença de indivíduos resistentes em uma população ocorre e pode aumentar gradativa e rapidamente sem um correto manejo integrado. Com uma estratégia  inteligente e uso de todas as ferramentas disponíveis podemos atrasar o agravamento deste problema. 

Segundo a Indústria de defensivos, a previsão mais otimista para o lançamento de uma nova classe de fungicidas para o controle de ferrugem asiática da soja é para 2024, e até lá, portanto, teremos que trabalhar estrategicamente com as ferramentas que conhecemos da melhor forma possível. Informe-se. O conhecimento é o principal insumo para a próxima safra.

Fonte: Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.