Petroleiros da Petrobras aprovam paralisação contra venda de ativos, diz FUP



Imagem: Pixabay


A Federação Única dos Petroleiros (FUP) e seus sindicatos de funcionários da Petrobras aprovaram a realização de uma paralisação no início do expediente na próxima sexta-feira, em protesto contra a venda de ativos da companhia, segundo comunicado enviado nesta segunda-feira.

A FUP e seus sindicatos aprovaram ainda, na última sexta-feira, calendário de assembleias para avaliar uma possível greve da categoria.

{module Form RD}

O movimento vem após a diretoria executiva da companhia, ainda amplamente formada por diretores eleitos na gestão anterior, ter decidido após análises preliminares pela retomada do processo de transferência de ativos que tiveram contratos de venda assinados.

A Petrobras tem pendentes transações já assinadas de mais de 2 bilhões de dólares.

As análises foram realizadas após pedido do Ministério de Minas e Energia no início do mês para uma suspensão das alienações de ativos por 90 dias, em razão da reavaliação da Política Energética Nacional, o que gerou insegurança em agentes do mercado.

Os processos em que não houve contratos finais assinados seguirão em avaliação pela petroleira.

Em nota, coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar, disse que a deliberação “rápida” da diretoria vai contra o que foi defendido em campanha pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“É inadmissível que profissionais alinhados ao governo anterior sigam entranhados na gestão da empresa, inviabilizando e boicotando o programa de governo que foi aprovado nas urnas”, afirmou Bacelar na nota

Após o início do governo do presidente Lula, apenas o presidente da petroleira estatal foi alterado na alta cúpula da companhia.

Procurada, a Petrobras não respondeu imediatamente a pedidos de comentários.

Geralmente, a companhia coloca equipes de contingência para atuar nas operações, evitando impacto mais acentuados na produção quando a paralisação não chega a ser a ampla.

Atualmente, nomes indicados à diretoria e ao conselho da estatal pela União e pelo novo presidente, Jean Paul Prates, passam por testes internos de integridade e elegibilidade.

No caso do conselho, indicado pela União, a expectativa é que os novos nomes possam ser aprovados em assembleia de acionistas no fim de abril. Mas o governo já realizou duas alterações na lista de indicados, além de sugerir novos nomes recentemente, em meio a temores de vetos tendo em vista regras que constam na Lei das Estatais.

Fonte: Marta Nogueira | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.