PGR questiona legalidade da pulverização aérea contra Aedes aegypti

A Procuradoria-Geral da República (PGR) questiona no Supremo Tribunal Federal a constitucionalidade da pulverização aérea contra Aedes aegypti em áreas urbanas. A Lei 13.301/2016 foi sancionada pelo presidente Michel Temer no último mês de junho, mas a PGR acusa a liberação de atender a “interesse das empresas de aviação agrícola”.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 5.592) proposta pelo procurador-geral Rodrigo Janot sustenta que a lei “subverte o modelo constitucional e altera o regime jurídico de proteção ao ambiente e à saúde, com potencial para causação imediata de danos aos ecossistemas e intoxicação de pessoas”.

Para pedir a suspensão da medida, a PGR se baseia em pareceres de instituições como a Fiocruz, o Conselho Nacional da Saúde e o Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador, do Ministério da Saúde. Essas recomendações técnicas são todas contrárias à pulverização aérea em áreas urbanas contra o mosquito vetor de doenças como dengue, zika e chikungunya.

Entre os argumentos, essas instituições apontam problemas como a deriva e a necessidade de doses maiores de insecticida nas aplicações aéreas em relação aos tratamentos terrestres. A Nota Informativa 128/2016 do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis chega a afirmar que a dispersão aérea “é uma estratégia que hoje não tem sua eficácia comprovada”.

Em conclusão, Janot sustenta que “a dispersão de produtos químicos por aeronaves é atividade de interesse das empresas de aviação agrícola, que, por meio do Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag), pressionam o Ministério da Saúde nesse sentido”.

O presidente do Sindag, Júlio Augusto Kämpf, garante que “não existe risco à saúde e ao meio ambiente”, e reclama que o assunto é tratado “preconceituosamente”. “Essa tecnologia é usada em vários países do mundo, como Cuba e EUA, e é reconhecida pela OMS. Os produtos recomendados são fitossanitários de uso em áreas urbanas”, pontua.

“A aviação agrícola está colocando mais uma ferramenta para o País, que está vivendo uma epidemia desse vetor. Isso não invalida os outros métodos. Simplesmente se agrega mais tecnologia pra gente sair dessa situação”, conclui Kämpf.

 

Fonte: Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.