Por que a economia deu sinais de melhora?



Imagem: Pixabay


Recentemente, o Brasil recebeu boas notícias na economia, como a queda do dólar, redução dos juros futuros, bons resultados na bolsa, crescimento do PIB e baixa taxa de desemprego. Um professor da FECAP acredita que o país deve aproveitar essas condições favoráveis, com expectativa de queda nos juros, desvalorização do dólar e retomada do crescimento.

Ahmed Sameer El Khatib é doutor em Administração de Empresas, Mestre em Ciências Contábeis e Atuariais pela PUC/SP e graduado em Ciências Contábeis pela USP, opina que, no início do ano, o mercado estava pessimista e exageradamente preocupado com as perspectivas da economia brasileira sob um novo governo liderado por Lula. No entanto, a resposta do governo com medidas fiscais surpreendeu positivamente a todos e contribuiu para essa melhoria na economia.

{module Form RD}

“No início do ano houve um certo pessimismo exagerado e generalizado do mercado com as perspectivas da economia brasileira sob um novo governo Lula. A resposta com o arcabouço fiscal surpreendeu a todos positivamente e explica parte dessa melhoria na economia”, opina El Khatib

Segundo o docente, a valorização do real em relação ao dólar é influenciada pela percepção de redução do risco fiscal, a desaceleração inflacionária global e uma possível pausa no aperto monetário nos Estados Unidos. A taxa Selic elevada tem atraído capital estrangeiro, o que aumenta a oferta de dólares e diminui sua cotação em relação ao real. Porém, cortes futuros na taxa Selic podem resultar em fuga de capital e valorização do dólar, aumentando sua cotação.

A queda no preço das commodities e a política de aumento da taxa Selic têm contribuído para controlar a inflação, de acordo com Ahmed. O crescimento da economia no primeiro trimestre, impulsionado pelo setor agropecuário, também melhorou as expectativas para o PIB deste ano. No entanto, Ahmed destaca a importância de ser realista diante dessas melhorias. “Os juros e a inflação nos países industrializados seguem em alta. Uma crise no exterior poderia impactar o crescimento do Brasil e nossa atual euforia econômica se tornar apenas uma brisa momentânea”, acrescenta.

Segundo Ahmed, o principal desafio histórico da economia brasileira é a alta dívida pública do país. Isso gera preocupações sobre a capacidade do governo de cumprir seus compromissos, elevando as taxas de juros e gerando expectativas de inflação. Isso compromete o ambiente econômico, prejudicando as perspectivas de crescimento, renda e emprego.

Fonte: Leonardo Gottems | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.