Preço da soja não deve subir: Saiba o que fazer


Imagem: Pixabay


Nos últimos quatro meses preços do mercado físico da soja já recuaram 2,64%, o equivalente a R$ 4,00/saca nos estados do Rio Grande do Sul e Paraná, 5% no Mato Grosso do Sul e 3,82% em Minas Gerais. Por outro lado, neste mesmo tempo, os insumos subiram 25,46%, derrubando a lucratividade.

A TF Consultoria Agroeconômica lembra que desde o dia 19 de julho alerta o mercado brasileiro de soja sobre a possibilidade de (forte) queda das cotações e do preço no Brasil. “De lá para cá, quem seguiu nossa recomendação em julho está recebendo hoje R$ 176,94/saca”, ressaltam os analistas de mercado.

{module Form RD}

Por outro lado, apontam os especialistas, quem seguiu as recomendações na época e fixou preços  na Bolsa de Chicago, “ganhou US$ 66,50/tonelada, que é a diferença entre a cotação de $1391,76 daquele dia e o fechamento desta sexta-feira, de R$ 21,94/saca. Ao invés de vender hoje ao redor de R$ 155,00, está recebendo R$ 176,94/saca, em qualquer lugar do Brasil”.

“Para a safra 2021/22, não há nada no horizonte que nos faça sequer pensar em nova alta dos preços, nem Chicago, nem dólar, a curto ou médio prazos. A única possibilidade seria algum fator totalmente imprevisível hoje, como uma nova onda da pandemia, ou um fato político muito grave e inesperado”, diz a TF.

A TF Consultoria Agroeconômica recomenda, portanto, vender o que ainda resta da safra 2021/22 e fixar preços o mercado futuro de Chicago para a safra 2022/23: “Nunca recomendamos vender no físico, para não ter os problemas de entrega, caso haja alguma deficiência de qualidade, como alertado pela APROSOJA”.

“Aliás estes problemas entre os agricultores e as Tradings não existiriam se, ao invés de vender no mercado físico, os agricultores apenas fixassem preço em Chicago, sem comprometer nada do físico. Depois da colheita, você só vai fazer a entrega do físico que vendeu em Chicago, se ele estiver em boas condições; se não, basta recomprar de volta seu contrato em Chicago e botar o lucro no bolso”, conclui a Consultoria.

Por: Leonardo Gottems | Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.