Produção da indústria química cresce 2,48% ⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

A produção de químicos para uso industrial cresceu 2,48% neste 3º trimestre do ano de 2019, em relação ao trimestre anterior, segundo informações divulgadas pela Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim). Nesse cenário, os dados que fazem parte do Relatório de Acompanhamento Conjuntural (RAC) da instituição, indicam que as vendas internas tiveram alta de 3,05% e a demanda interna subiu 17%.

De acordo com Fátima Giovanna Coviello Ferreira, que é diretora de Economia e Estatística da Abiquim, para os produtos químicos de uso industrial, que estão na base de diversas cadeias industriais, os meses de julho a outubro são os melhores do ano, em razão das encomendas de Natal e período de verão, que eleva a procura por descartáveis e outros itens. “Mas, apesar da melhora recente, na comparação com os resultados do terceiro trimestre de 2018, os índices do mesmo período deste ano apresentam variações negativas: a produção caiu 9,49%, as vendas internas tiveram recuo de 6,49% e o consumo aparente nacional (CAN) caiu 11,47%”, diz a Abiquim. 

Além disso, de janeiro a setembro, a utilização da capacidade instalada se manteve no patamar de 70%, sete pontos abaixo da registrada em igual período de 2018, levando a ociosidade ao patamar recorde de 30%. “O nível é inadequado para os padrões de produção em regime de processo contínuo do setor químico e a ociosidade crescente preocupa as empresas pois impõe custos unitários por tonelada produzida cada vez maiores, piorando a relação de competitividade nacional com o produto importado”, explica Fátima. 

Para completar o contexto, uma possível redução unilateral das tarifas do imposto de importação de diversos produtos, entre os quais uma grande quantidade de químicos fabricados no Brasil, é avaliada pelo governo. “Essa eventual decisão, sem as necessárias contrapartidas na direção da eliminação ou diminuição dos entraves que afetam a competitividade da indústria nacional, pode trazer consequências muito ruins para toda a indústria e, em especial para a química. Esse quadro reforça a necessidade de se acelerar as medidas da agenda positiva do governo relativas ao Novo Mercado de Gás, que só deverão surtir efeitos sobre a competitividade do gás, da energia e da oferta de matérias-primas petroquímicas derivadas do óleo e do gás em três ou quatro anos”, conclui.

Fonte: Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.