PSA deve elevar preço global de proteína animal em 5,6% até 2020

A Peste Suína Africana (PSA) deve levar a um aumento de 5,6% nos preços globais de proteína animal (bovina, suína e de frango) até 2020, segundo relatório do banco BTG, caso a produção da China caia em 16 milhões de toneladas, conforme se espera atualmente. Num cenário mais severo, em que o plantel chinês cai pela metade, o modelo projeta um aumento de 8,7% nos preços. Caso a queda na oferta de suínos seja de 15%, a alta seria de 2,7% nos preços.

Em relatório detalhado sobre o setor de proteína animal brasileiro, assinado por Thiago Duarte e Henrique Brustolin, o banco estima que a alta pode ir diretamente para o fluxo de caixa das companhias de carne, especialmente aquelas com produção integrada.

O BTG também projetou o efeito da mudança estimada nos preços nas companhias de proteína. A previsão de Lucros antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização (Ebitda) da JBS em 2020 aumentou em 45%, para R$ 22,1 bilhões, e a expectativa é que os preços altos causados pela peste suína representem R$ 6,2 bilhões; para a BRF, a estimativa de Ebitda no ano que vem sobe 13%, para R$ 5,3 bilhões, dos quais R$ 1,9 bilhão seria advindo da peste suína; para a Marfrig, a projeção de Ebitda aumenta 43%, para R$ 4,6 bilhões, com a peste suína africana responsável por R$ 880 milhões.

O banco manteve a JBS como principal recomendação de compra do setor; a BRF continua com recomendação neutra; e a recomendação para a Marfrig caiu para neutra após resultados considerados ruins no primeiro trimestre. A projeção não incorporou os efeitos da possível fusão entre BRF e Marfrig, ressaltando que, embora a tendência seja de acordo, o negócio pode acabar não acontecendo. Além disso, o banco reiterou que vê a possível negociação com ceticismo.

“Escolhemos esperar até termos mais detalhes sobre o potencial de sinergia”, informa o boletim.

Segundo o relatório, é possível que a China ainda não esteja reportando todos os casos da peste para tentar “prevenir as implicações negativas nas áreas política e econômica”.

A estimativa consensual é que a oferta de suínos chinesa cairá 30%, mas analistas mais alarmantes falam até em 50%.

A expectativa é de que a demanda e os preços da carne bovina também sejam tão beneficiados quanto as do frango no processo de substituição de proteínas por parte dos chineses.

Postagem: Marina Carvejani
Autor: Suínocultura Industrial
Fonte: Agrolink

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.