Mercado de uva se abre para novas oportunidades de negócios em Goiás

Em pleno Cerrado e na esteira de um crescimento registrado nas duas últimas décadas, em outras regiões do Brasil, o cultivo de uvas ganha força e o vinho produzido em Goiás já começa a atender a um público com um paladar mais exigente. Entre os vitivinicultores, a ordem é apostar em espaços que possam receber diferentes públicos – profissionais, estudantes e consumidores – e estimular o enoturismo.

 

 

No Estado, a cidade de Paraúna tem a maior área plantada, e há produções em Itaberaí, Santa Helena de Goiás, Cocalzinho de Goiás, Nova Veneza, Goianira e Hidrolândia. “É uma cultura rentável, apesar de demandar investimentos iniciais altos, além de insumo e mão de obra especializada. Porém, exige pouco espaço para o cultivo, beneficiando o pequeno produtor, e o produto tem mercado garantido”, explica o analista técnico do Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (Ifag) e da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Alexandro Alves.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estratística (IBGE), em todo Estado, existem 40 hectares plantados da chamada uva de mesa, destinada ao consumo in natura, e 77 hectares da fruta que será industrializada e se tornará suco, vinho ou geleia. As propriedades possuem, em média, 2 e 10 hectares, respectivamente. “Temos já em Goiás algumas agroindústrias que absorvem parte dessa produção”, aponta, citando ainda um novíssimo mercado para os produtores: a separação de sementes para a indústria de cosméticos e também de alimentos.

No Brasil, de acordo com o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), se destacam como regiões produtoras a Serra Gaúcha, a Campanha Gaúcha e a Serra do Sudeste, no Rio Grande do Sul; o Vale do Rio do Peixe e Rosário do Ivaí, em Santa Catarina; o Planalto Catarinense e os Campos de Cima de Serra, na divisa entre Rio Grande do Sul e Santa Catarina, e o Vale do São Francisco, entre os estados da Bahia e Pernambuco.

A fruta é dividida em dois grandes grupos: as híbridas ou de mesa – norte-americanas mais usadas para sucos e garrafões de vinhos, como a niágara e seibel – e as viníferas – importadas da Europa e destinadas à vinificação fina. O presidente do Ibravin, Dirceu Scottá, cita a proximidade com o mercado consumidor do Distrito Federal como um ponto positivo para atração de investimentos para Goiás. “A vitivinicultura goiana tem dado os primeiros passos na última década, com algumas iniciativas pontuais, mas que já começam a revelar alguns excelentes vinhos”, analisa.

Vinho fino

Uma década depois de iniciar a produção de vinhos na Serra das Galés, em Paraúna, o médico e produtor Sebastião Ferro, 77 anos, vai lançar seu primeiro rótulo de vinhos finos. A bebida, resultado da safra 2016, está em processo de envelhecimento. “Estamos em fase final de preparação, de rotulação e de qualificação do produto, para lançar até o final do ano. Vamos comemorar os 10 anos da vinícola com esse vinho fino do Cerrado”, informa. Durante o fechamento desta matéria, ele estava colhendo as frutas da safra 2017.
A produção do vinho para paladares mais apurados é resultado de uma parceria com a Embrapa Uva e Vinho, localizada em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul. O vinho fino vem das uvas shyraz e da touriga nacional, oriundas de Portugal. “Estamos pesquisando algumas uvas e neste ano fizemos enxertia de uma uva de mesa sem semente, a BRS Vitória (variedade criada pela Embrapa), que é muito saborosa”, informa.

 

 

Hoje, a Serra das Galés planta a fruta em 30 hectares e produz suco e vinho de mesa – o Cálice de Pedra -, em homenagem às formações rochosas de Paraúna. Os produtos são vendidos em Goiás, Distrito Federal e no Triângulo Mineiro. Por ano, são colhidas entre 400 e 500 toneladas de uvas. Ferro se define como um “apaixonado por uvas” e nutre o sonho de criar e fazer crescer a rota do enoturismo em Goiás.

A vinícola, em Paraúna, já recebe visitantes, sobretudo universitários. Quem os recepciona é o enólogo Valdir Cristofoli, sócio da Serra das Galés, e responsável pela produção do primeiro vinho fino da marca. “Não temos histórico de produção da variedade touriga nacional dentro do clima do Cerrado. Estamos produzindo e, felizmente, deu certo. A qualidade do produto nos surpreendeu. Mandamos para o Sul, para uma avaliação sensorial, e ele foi muito bem aprovado”, comemora.

Segundo ele, novos vinhos finos podem ser lançados. É que para a próxima safra outras variedades da uva estão em teste. “Nosso mercado, com esse produto, são de consumidores com paladar mais apurado, que têm o hábito de consumir vinho, os enófilos em geral, porque é uma bebida mais encorpada, mais complexa”, adianta, informando que o preço terá “mais valor agregado”.

Parceria

A Serra das Galés também compra uvas de pequenos produtores da região, como do Sítio Recanto da Barra, localizado no Distrito de Baiinha. O produtor Onofre Macedo das Neves, 50, entrou no negócio ao lado dos pais e de quatro irmãos, incentivado pelo produtor Sebastião Ferro. Até 2007, eles trabalhavam com o plantio de arroz e uma década depois, não se arrependem da troca que fizeram. “Com certeza, foi uma boa mudança”, pondera.

 

Neves calcula que no início do negócio investiu de R$ 15 mil a R$ 20 mil por hectare de cultivo. Hoje, são oito hectares, três parreirais e mais de 10 mil pés de uvas. A produção anual é entre 125 e 140 toneladas, vendidas in natura, para compradores do Distrito Federal e do Mato Grosso, e para o processamento, na vinícola Serra das Galés. Toda a família tira o sustento da uva e, na época de poda e de colheita, pelo menos três funcionários são contratados.

 

 

Gourmet

Pioneira, a Vinícola Goiás, em Itaberaí, aposta em um recém-lançado Espaço Gourmet para atrair visitantes e fomentar o turismo envolvendo o vinho. Mensalmente, o local vem recebendo, em média, duas turmas de cursos como Gastronomia e Agronomia, de instituições de ensino goianas. “Estamos abrindo a propriedade para o turismo de agora para frente”, explica Anir Razia, sócio proprietário da vinícola. Lá, são plantados 13 hectares de uva e colhidas em torno de 260 toneladas por ano da fruta.

Há ainda uma indústria de processamento de sucos de uva integral e de polpa, produtos destinados ao mercado goiano e do Distrito Federal. Ele ressalta o papel da gestão rural para o crescimento das vinícolas e diz que, hoje, a maior preocupação é com os cuidados envolvendo sanidade, o respeito ao uso do solo e ao meio ambiente e o controle de qualidade. “Estamos em um campo muito bom de produção e de comercialização”, pondera ele, que fez cursos de empreendedorismo rural pelo Senar.

Responsável pelo trabalho no Espaço Gourmet, a chef Sabrina Pinheiro explica que os visitantes percorrerão o parreiral, a fábrica, onde são produzidos vinho, suco integral, polpa, geleia, e finalizarão a estadia com um almoço e um jantar com pratos de alta gastronomia. Tudo harmonizado com os produtos da vinícola. “Queremos trazer um pouco do Sul para o Cerrado”, diz.
É justamente do Sul que veio a inspiração para o plantio de uvas em Goiás, há quase duas décadas, trabalho iniciado por Danilo Razia, 59, pai de Anir. De família italiana, ele se mudou para Goiás procurando um lugar onde estabelecer a produção. “Vimos algumas plantações de ‘fundo de quintal’, sem tecnologia, mas que davam uva. Percebemos que poderia dar certo”, recorda.

Pesquisa

A uva Isabel, usada para a produção de sucos e de vinho de mesa, é a base para as pesquisas genéticas da Embrapa Uva e Vinho, que desenvolveu as variedades BRS. “São três novas variedades, mais tolerantes à chamada doença da videira”, explica o pesquisador João Dimas Garcia. Preta, sem semente e altamente produtiva, a BRS Vitória se destaca pela doçura e pelo sabor que dão à variedade uma identidade própria.

“Ela está se expandindo em muitas regiões do Brasil, principalmente no Vale do São Francisco, onde seu plantio já passa dos 400 hectares”, informa. Já a BRS Isis é vermelha, sem semente, crocante e que se destaca pela produtividade. A BRS Núbia chama a atenção pelo tamanho, é preta e com sementes, além de demandar menos mão de obra e menos fungicida: ou seja, tem um custo de produção menor.

 

 

Mercado

O presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Dirceu Scottá, explica que a vitivinicultura vem evoluindo de forma muito intensa, especialmente nas duas últimas décadas. Entretanto, em 2016 o desempenho comercial de vinhos e espumantes no mercado interno recuou 18% frente a 2015, totalizando a venda de 202 milhões de litros. “O resultado negativo se deu em função de diversos fatores, como a maior quebra de safra da história, a pior desde a década de 1960, o que acabou diminuindo a oferta de insumo”, explica.

Scottá cita ainda a crise econômica, aumento dos impostos, do desemprego e da queda no poder aquisitivo. No mercado externo, porém, o cenário está melhor. Apesar de representar um volume baixo, em 2016, houve um aumento de mais de 40% nas vendas para o exterior, com mais de 2,2 milhões de litros. Em 2017, a situação de dificuldade no mercado interno deve se repetir, prevê o presidente do Ibravin.

No primeiro semestre deste ano, a queda registrada foi de 8,6%, considerando vinhos finos e de mesa, sucos, espumantes, vinagres, entre outros. A perspectiva é de que o segundo semestre registre uma pequena melhora em relação aos primeiros seis meses. “Temos a entrada de produtos da safra recorde deste ano, ou seja, novas opções e uma variedade maior de rótulos para os consumidores, a proximidade das festas de final de ano, que costuma alavancar a vendas, especialmente de espumantes, e uma tendência de maior estabilidade no emprego e no poder de compra das famílias”, enumera.

Fonte: Agrolink