Canola: Canadá envia missão comercial à China

O ministro da Agricultura do Canadá, Ralph Eichler, afirmou que esta é a hora de ir para a China resolver questões relacionadas à proibição das importações canadenses de sementes de canola “de uma vez por todas”. Depois de divulgar que estava otimista com um possível acordo, o ministério canadense foi surpreendido com mais uma proibição oriunda da China. "Esse soluço, como eu quero chamar, certamente foi inviabilizado pelo governo chinês", disse Ralph Eichler a repórteres em Brandon na segunda-feira. "Acho que precisamos fazer uma viagem à China e resolver isso mais cedo ou mais tarde." Eichler estava na cidade de Manitoba, no sudoeste do país, anunciando a expansão de um programa de descontos oferecido pela Manitoba Agricultural Services Corporation para jovens agricultores. No entanto, as perguntas dos repórteres rapidamente se voltaram para a China, interrompendo as importações de sementes canadenses de canola. 
 
As autoridades chinesas revogaram a licença de venda de um importante distribuidor canadense de canola, Richardson International, no início deste mês. As autoridades na época disseram que estava relacionada a "pragas perigosas" na semente, uma alegação que Richardson negou veementemente. No entanto, o Conselho de Canola do Canadá (CCC) disse na sexta-feira que os importadores chineses não estão dispostos a comprar sementes de canola canadenses. 
 
Alguns acreditam que a proibição tem a ver com a prisão do executivo de uma empresa de tecnologia chinesa no Canadá, um conflito que os agricultores canadenses dizem que agora foram arrastados. "Há muitas circunstâncias circulando agora que tornam a questão mais complicada do que deveria", disse Bill Campbell, presidente da Keystone Agricultural Producers, de Manitoba. "Não é bom. Não é nada bom. A maioria dessas dificuldades será repassada ao produtor primário. Será sentida no preço que recebo pela minha canola. Isso é enorme na paisagem agrícola”, completa. 

Fonte: Agrolink | Autor: Leonardo Gottems