Alimentos são principal fonte de renda da Argentina

por Guilherme Rodrigues
Cerejas, mirtilos, carne de porco e mel para a China; carne para as Filipinas; mel, tangerinas, laranjas, toranjas, limões e nozes pecã para o Brasil; Chia e limões para a Índia; doce de leite e carne de ovelha para o Japão; Limões e carne para os Estados Unidos são apenas alguns dos marcos alcançados durante este ano no comércio exterior de alimentos e bebidas na Argentina.

As exportações de alimentos representam o setor mais importante de toda a matriz exportadora e estão entre 41% e 45% de tudo o que a Argentina despacha. Portanto, "podemos dizer que é o principal setor de geração de renda do país", disse Andres Murchison, secretário de Alimentação e Bioeconomia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca do país.

Antes da consulta sobre como os argentinos fazem para que o país deixe de ser um celeiro e se torne um supermercado no mundo, Murchison esclareceu: “Não se trata de ser uma coisa ou de outra, mas podemos ser os dois, graças à riqueza, diversidade e extensão do nosso país, podemos ser celeiros e supermercados do mundo ”. Sobre esse duplo papel, ele argumentou: “Por um lado, continuamos comercializando nossos produtos primários, reconhecidos mundialmente pelo grande trabalho que os produtores realizam há mais de dois séculos, o desenvolvimento tecnológico e a inovação dos últimos anos, que permitem nos colocar em primeiro lugar como produtores e exportadores primários”, ressaltou.

No entanto, ele enfatizou: "Por outro lado, sabemos que a Argentina pode ser muito mais e é por isso que trabalhamos todos os dias para posicionar nossa comida nas gôndolas do mundo". As ferramentas que permitem o progresso nessa direção e agregam valor, estão relacionadas ao treinamento de negócios, diferenciação e valor agregado, acordos internacionais como União Européia-Mercosul, estratégias de promoção comercial que o Ministério realiza em conjunto com a Agência Argentina de Investimento e Comércio Internacional (AAICI), missões comerciais, tabelas de competitividade por cadeia.



Os números

De acordo com os dados fornecidos pelo portfólio agrícola, em 2018, as exportações de alimentos foram de US$ 25.347 milhões e atingiram um volume total de 39,7 milhões de toneladas, com um valor por tonelada exportada de US $ 637,5. Enquanto em relação aos primeiros sete meses de 2019, começou a ser observada uma mudança de tendência, embora os preços internacionais tenham diminuído, os volumes exportados tiveram um crescimento de 17,6% em volume e o mesmo valor do mesmo período do ano anterior.

Quanto à matriz exportadora argentina, o secretário reconheceu que resta continuar diversificando. No entanto, ele ressaltou que as economias regionais têm crescido, representam cerca de 22% das exportações de alimentos e são relevantes porque são os produtos com o maior valor unitário. "Em 2018, eram US $ 1.669 / t e o valor total exportado foi de US $ 6.600 milhões", disse ele.

Os alimentos e bebidas mais exportados são produtos da pesca, vinho, aves, peras, limão, feijão, arroz e alho. Para Murchison, "o mais interessante dessa diversidade é que todas as regiões argentinas estão representadas, que se beneficiam dessas grandes oportunidades de continuar agregando valor na fonte, o que gera mais emprego e raízes nas aldeias", finalizou.
 
 
Autor: Eliza Maliszewski  |  Fonte: Agrolink