Novo governo da Argentina aumenta tarifas de exportação de grãos e oleaginosas

por Marina
O novo governo de esquerda da Argentina aumentou os impostos de exportação de grãos e soja e seus derivados no sábado, em uma medida amplamente antecipada, mas potencialmente controversa.

O governo Front of All do presidente Alberto Fernandez emitiu o decreto 37/2019 para modificar os direitos de exportação impostos pelo governo de Mauricio Macri em setembro de 2018.

A decisão foi publicada no Diário Oficial do país em 14 de dezembro, com o decreto eliminando um imposto fixo de exportação de 4 pesos por dólar exportado e substituindo-o por um imposto de 12% para milho, trigo, sorgo, sementes de girassol e cevada.

Para soja, farelo e óleo de soja, o imposto de exportação é aumentado para 30%.

Segundo a corretora argentina Zeni, as tarifas estão aumentando de 5,3 pontos percentuais em geral, com as taxas de soja e derivados subindo de 24,7% atualmente e as de grãos de 6,7%.

"Se não houvesse mais detalhes na segunda-feira, as taxas seriam de 30% para o complexo de soja (feijão e subprodutos), enquanto milho, trigo, cevada, girassol e sorgo seriam tributados em 12%", disse Eugenio Irazuegui, analista da Zeni.

O Ministério da Agricultura também emitiu uma resolução para suspender o registro de exportações de grãos e derivados na segunda-feira, 16 de dezembro, para permitir a implementação do novo regime de taxas de exportação.

Na corrida para a chegada do novo governo, os produtores aceleraram as vendas de milho e outros produtos, enquanto os registros de exportação aumentaram como o mercado antecipado de que um aumento nos direitos de exportação seria uma das primeiras medidas tomadas pelo governo de Fernandez para desembarcar suas finanças.

A suspensão também sugere que o governo possa fazer novas mudanças no esquema no início da próxima semana, com fontes comerciais citadas na mídia local sugerindo que as autoridades podem estabelecer taxas ainda mais altas no curto prazo.

As associações de grãos contatadas pelo Agricensus recusaram-se a comentar enquanto aguardavam esclarecimentos por parte do governo.

Em entrevista à estação de rádio Mitre, Daniel Pelegrina, chefe da Sociedade Rural da Argentina (SRA), disse que essas mudanças nos direitos de exportação impactariam negativamente a produção de grãos.

Ele também disse que as principais associações rurais não haviam sido previamente informadas sobre essa medida.

Uma fonte do mercado disse à Agricensus que esses aumentos nos direitos de exportação teriam um impacto amplamente negativo na produção de grãos no ciclo 2020/21.




Fonte: AgriCensus