USD/BRL:
PT | EN | ES |      

Proteína melhora biocontrole na agricultura sustentável

por Marina
A Universidade de Málaga (UMA), da Espanha, provou que as células de Bacillus subtilis , quando privadas de uma proteína amilóide (TasA), exibem uma série de anomalias citológicas e disfunções, levando à sua morte prematura. Essa descoberta permite avançar na compreensão do papel dessas proteínas, amplamente distribuídas no mundo microbiano, e ajuda a melhorar os métodos de controle biológico na agricultura sustentável.

A equipe de pesquisa da UMA evidenciou particularmente como essa proteína amilóide TasA, necessária para a montagem das comunidades bacterianas conhecidas como "biofilmes", também evita a morte celular bacteriana, mas preserva a integridade da membrana celular. "Ou seja, observamos um papel complementar nessas proteínas além do papel meramente estrutural", explica o principal autor deste estudo, o pesquisador Diego Romero, que também é membro do Instituto de Horticultura Mediterrânea e Subtropical "La Mayora "(IHSM), um instituto de pesquisa conjunto do Conselho Nacional de Pesquisa da Espanha (CSIC) e da UMA.

Segundo o especialista, essa dupla funcionalidade se reflete no apego bacteriano às superfícies das plantas, onde a proteína contribui para combater o ataque de patógenos e melhorar a aptidão bacteriana. "Nosso objetivo é aumentar seu uso em modelos sustentáveis de produção e proteção de culturas", diz o professor do Departamento de Microbiologia da UMA. 

Assim, este estudo trabalhou na bactéria Bacillus subtilis, enfatizando dois aspectos, o estudo de suas bases moleculares, que levam à formação de comunidades bacterianas conhecidas como "biofilmes" e como esses biofilmes contribuem para a atividade benéfica de Bacillus como um agente de biocontrole em modelos de agricultura sustentável. 



Fonte: Agrolink



LEIA TAMBÉM: