fbpx
USD/BRL:
PT | EN | ES |      

Crescimento do PIB no agro em meio à crise mostra resiliência do setor, destaca Faesp

por Marina

Fabio de Salles Meirelles, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp), salienta que o crescimento de 1,2% da atividade no segundo trimestre, na comparação com igual período de 2019, e de 0,4% em relação aos três meses imediatamente anteriores evidenciou a capacidade de superação, resiliência e qualidade do setor. "O meio rural conseguiu manter sua expansão na gravíssima conjuntura da Covid-19, na qual as outras áreas apresentaram quedas significativas, conforme demonstraram os dados do PIB brasileiro divulgados pelo IBGE".

As contribuições positivas da agropecuária referem-se às culturas de soja (5,9%), arroz (7,3%) e café (18,2%). "Cabe salientar que as exportações em geral do nosso setor também foram fundamentais. Enquanto as vendas externas totais do País caíram 7,4%, as do agronegócio subiram quase 10%. Destaque para carne bovina, cuja comercialização ao exterior aumentaram 25,7% no primeiro semestre, quando a agropecuária também teve desempenho positivo no comércio externo, de 1,6% em relação ao mesmo período de 2019.

"São Paulo tem papel decisivo nos resultados do PIB do agronegócio brasileiro, pois é produtor importante de café, arroz, amendoim, cana-de-açúcar, milho, frutas, soja, legumes e verduras. A agropecuária paulista também está avançada, principalmente nas regiões de Andradina, Araçatuba, Barretos São José do Rio Preto e Presidente Prudente. Quanto ao gado leiteiro, as principais regiões produtoras são o Vale do Paraíba, Campinas, Araraquara, São Carlos, Rio Claro, Mococa, Franca e Porto Ferreira.

Continua depois do formulário



Ações de apoio ao meio rural na pandemia

Fábio de Salles Meirelles salientou que os resultados do agronegócio no PIB do segundo trimestre foram conquistados com muito empenho e trabalho. "Para que fossem alcançados, além do esforço de cada produtor rural, houve grande mobilização das entidades de classe, como as ações que realizamos no âmbito da Faesp", frisou, lembrando: "Logo nos primeiros dias de informações sobre a pandemia, instituímos o Comitê de Crise, para monitorar e propor ações de apoio ao campo, a fim de minimizar os impactos nas suas atividades e no abastecimento de alimentos à população". A primeira providência do colegiado foi a criação de um grupo e rede de inteligência para monitorar em tempo real os problemas e garantir a manutenção das operações da cadeia produtiva do abastecimento, disponibilizando canais diretos para que os produtores relatassem suas dificuldades e necessidades.


Outra iniciativa foi o "Pertinho de Casa", aplicativo que possibilita a compra direta por parte dos consumidores e cujo sucesso evitou que muitas famílias engrossassem a fila do auxílio emergencial do governo e o rol dos socorridos pela fraternidade. "Estão produzindo, vendendo, ganhando seu dinheiro e atendendo milhares de pessoas", explicou o líder setorial, citando também campanha realizada em todo o Estado para que as pessoas deem preferência ao etanol no abastecimento de seus carros. Ação envolveu a adesão de várias prefeituras.

Também foi estruturada ação para que centenas de costureiras, muitas delas instrutoras dos cursos do SENAR-AR/SP (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), produzissem milhões de máscaras destinadas a produtores e trabalhadores do campo e a santas casas de misericórdia do interior paulista. "Essas mulheres, muitas delas arrimos de família, estariam sem renda no momento mais agudo da pandemia. Contudo, estão trabalhando e se mantendo, além de ajudarem na oferta de um importante equipamento de proteção contra o contágio", acentuou o presidente da Faesp, citando outra iniciativa, a Feira Segura, destinada a aumentar a segurança dos feirantes e consumidores.

Seguro rural

A Faesp também teve forte atuação no sentido de solicitar ao Governo do Estado de São Paulo a liberação da parcela do segundo semestre, de R$ 26 milhões, para subvenção ao prêmio do seguro rural. No primeiro semestre, haviam sido liberados R$ 25 milhões. "Agora, entendemos que ainda são necessários mais R$ 20 milhões, que estamos pleiteando perante a Secretaria de Agricultura e Abastecimento", conclui Fábio de Salles Meirelles.



Fonte: DATAGRO

LEIA TAMBÉM: