fbpx
USD/BRL:
PT | EN | ES |      

Greve do porto argentino termina com novo acordo

por Guilherme Bezzarro

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 



Os sindicatos argentinos de oleaginosas assinaram um acordo com as esmagadoras do país em 29 de dezembro para encerrar uma greve de 20 dias por causa dos salários que paralisou as exportações, informou a Reuters .

O negócio incluiu um aumento de 25% nos salários em duas partes de janeiro a agosto. Os aumentos para o resto do ano serão determinados pela taxa de inflação, informou a câmara de esmagamento e exportação da Argentina, CIARA-CEC, em um comunicado.

“Chegou-se a um acordo para suspender a greve que paralisou terminais portuários e o complexo agroindustrial”, disse o CIARA-CEC.

De acordo com a Reuters , os trabalhadores entraram em greve por causa dos salários que disseram não os compensar totalmente pela alta taxa de inflação da Argentina e pelo risco de trabalhar durante a pandemia COVID-19.



As negociações salariais anteriores envolvendo o sindicato de trituradores FTCIOD, o Sindicato dos Trabalhadores do Petróleo de San Lorenzo (SOEA) e o sindicato dos receptores de grãos Urgara foram paralisadas, com Urgara e FTCIOD assinando um acordo em outubro para coordenar greves futuras e negociar em conjunto aumentos salariais e melhores trabalhos condições.

A Reuters relatou que a bolsa de grãos de Rosário disse que o embarque de 162 navios foi adiado nos portos da Argentina, afetando cerca de US $ 1,458 bilhão em exportações.

A moagem de soja e outras atividades da indústria agrícola também foram suspensas desde que os trabalhadores deixaram o trabalho em 9 de dezembro.

A greve afetou as operações de gigantes internacionais do agronegócio, como Cargill, Bunge e Louis Dreyfus, e fez os preços da soja dispararem, atingindo o máximo de seis anos na Bolsa de Valores de Chicago, acrescentou a Reuters.


Este texto foi traduzido automaticamente do inglês.

Fonte: Oils & Fats Internacional (OFI)