fbpx
USD/BRL:
PT | EN | ES |      

Greve de caminhoneiros da Argentina atinge chegadas em portos importantes

por Guilherme Bezzarro

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 



A greve de caminhoneiros na Argentina está afetando o número de caminhões que chegam aos principais portos de grãos do país, disseram fontes da indústria ao AgriCensus.

A greve por tempo indeterminado, que começou em 15 de janeiro, inclui bloqueios de estradas intermitentes em algumas rotas em todo o país.

Cerca de 2.000 proprietários de caminhões e motoristas independentes, membros do grupo Transportistas Unidos de la Argentina (TUDA), estiveram envolvidos no último protesto em uma série de greves que interromperam as operações em todo o setor, disse o AgriCensus.



“A greve está afetando atualmente todos os portos de grãos, incluindo os terminais de Necochea e Bahia Blanca, na província de Buenos Aires. Os ministérios do transporte e da segurança estão intervindo neste conflito ”, disse uma fonte citada.

Outra fonte da indústria teria dito que apenas 10% do fluxo normal de caminhões estava transportando grãos para os portos locais.

“Hoje, um total de 300 caminhões chegaram aos portos de grãos, o que se compara a um fluxo diário normal de 3.000 caminhões”, disse a fonte.

Empresários de transporte de carga bloquearam parcialmente a rodovia Bueno Aires-Rosario junto com outras rotas no sul da província de Santa Fé, para reivindicar aumentos de taxas devido ao aumento dos custos, informou o AgriCensus . Também bloquearam o acesso ao túnel subaquático que liga as cidades de Santa Fé e Paraná, em Entre Ríos.

Os membros da TUDA também exigiam melhorias na infraestrutura das estradas nacionais, bem como maior segurança para os motoristas de caminhão, de acordo com o AgriCensus.

Este texto foi traduzido automaticamente do inglês.

Fonte: Oils & Fats (OFI)