fbpx
USD/BRL:
PT | EN | ES |      

SAFRAS eleva estimativa de produção de soja brasileira para 133,1 milhões de toneladas

por Guilherme Bezzarro

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 



Imagem: Pixabay


A produção brasileira de soja na safra 2020/21 deve totalizar 133,104 milhões de toneladas, um aumento de 4,7% em relação à safra anterior, que foi de 127,178 milhões de toneladas. A nova estimativa foi divulgada pela SAFRAS & Mercado no dia 29 de janeiro. O novo número também indica um aumento em relação à projeção de dezembro. Em 11 de dezembro, data do relatório anterior, a projeção era de uma produção de 132,498 milhões de toneladas.

Com a colheita em estágio inicial, a SAFRAS indica um aumento de 3,2% na área, estimada em 38,61 milhões de hectares. Em 2019/20, o plantio ocupava 37,43 milhões de hectares. O levantamento indica que a produtividade média deve passar de 3.415 para 3.465 hectares / quilo.

A irregularidade climática marcou esta temporada. Dentro de um mesmo estado, existem microrregiões com lavouras em diferentes condições. Esse fato provavelmente nos impedirá de atingir novos recordes de produtividade média na maioria dos estados.



No entanto, em geral, as condições das safras nacionais são consideradas bastante satisfatórias, sem perdas significativas de produção. De qualquer forma, devido às irregularidades, somente o avanço da safra revelará a real situação da produtividade de cada estado.

O clima ainda é importante para a consolidação da produção brasileira. No Paraná e nos estados das regiões Centro-Oeste e Sudeste, a partir do início de fevereiro, não pode haver grande excesso de umidade para que a colheita comece e progrida em ritmo satisfatório e a qualidade dos grãos não seja prejudicada. Para o Rio Grande do Sul e os estados do Norte e Nordeste, a umidade razoável ainda será bem-vinda em fevereiro. O Brasil começa a colher a nova safra com tendência de novo recorde de produção.

Este texto foi traduzido automaticamente do inglês.

Por: Rodrigo Ramos | Fonte: SAFRAS & Mercado