fbpx
USD/BRL:
PT | EN | ES |      

Milho argentino pode ameaçar alta dos preços

por Eduardo Moreno

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 


Imagem: Pixabay

Os preços do milho subiram 18,07% nos últimos 30 dias no Brasil, passando de algo ao redor de R$ 83,00/saca para os atuais R$ 98,00/saca no mercado físico de algumas localidades. No entanto, de acordo com a Consultoria TF Agroeconômica, novas altas estão sob ameaça do milho argentino, que chegaria a R$ 86,00/saca CIF.
 
Segundo os analistas de mercado, a alta do milho das últimas semanas foi devida aos estragos provocados pela ocorrência de geadas no Paraná, um dos grandes produtores nacionais, que teve uma forte redução na sua oferta. Na avaliação do Deral (Departamento de Economia Rural) desta semana cerca de 42% das lavouras apresentavam condições ruins, 46% médias e apenas 12% condições boas. 



“O rendimento caiu de 5.166 kg/hectare da última safra, para 4.020 kg/hectare na safra atual, com algumas lavouras ainda menos que isto. A expectativa de produção passou a ser de 9,82 milhões de toneladas, cerca de19% a menos do que as 12,17 MT colhidas na segunda safra do ano anterior”, aponta a Consultoria.
 
Os especialistas ressaltam que “quebras semelhantes ocorreram em outros estados, reduzindo a expectativa de produção total de milho no Brasil para esta safra, para 93,38 milhões de toneladas, contra 102,58 MT produzidas no ano anterior. Os estoques finais do milho no Brasil estão previstos em 5,46 milhões de toneladas, contra 10,60 MT da safra anterior, segundo o relatório da Conab desta semana”.

A TF Agroeconômica aponta que as altas poderão ser contrabalanceadas, pelo menos para os grandes compradores, pelo milho argentino, que chegaria no interior do estado de Santa Catarina, por exemplo, a menos de R$ 90,00 CIF, contra R$ 98,00 pedidos atualmente pelos vendedores locais e com abundância de volume para fazer frente à escassez do estado.

Por: Leonardo Gottems | Agrolink