O Crescimento e a Relevância do Biodiesel no Mercado Brasileiro

por Mateus Ramos

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Imagem: Pixabay


Como é de conhecimento coletivo, o mundo está em constante mudança. A maior meta que toda companhia tenta alcançar é como ganhar melhores resultados com menores custos, levando em consideração, é claro, o meio ambiente.

Isso não é uma tarefa fácil e há muitos desafios a serem enfrentados.

Baseado nesta premissa, nos últimos anos, temos notado uma expansão em um dos mercados mais importantes para a economia brasileira: o Biodiesel.


Os benefícios do Biodiesel para o nosso país estão ganhando cada vez mais atenção dos produtores, como pode-se notar nos exemplos abaixo:

Benefícios Sociais: Com o crescimento do volume de Biodiesel no Brasil (2018 sendo o maior nos últimos 10 anos), se é esperado para os próximos anos um aumento no volume de esmagamento de oleoginosas, em função da meta dos 20% de Biodiesel (devido ao B20) em 2028. Atualmente, se encontra entre 10% e 12%.

Com a nova legislação, espera-se um aumento no esmagamento das oleaginosas no Brasil, o que poderá beneficiar as famílias do país, criar empregos para o setor do agronegócio e para os esmagadores locais.

Meio ambiente: Com a nova meta de 20% de Biodiesel (B20) no diesel comum, espera-se uma queda na produção com matéria prima fóssil. Este fato poderá ser benéfico ao meio ambiente, já que será expelido menos CO2 na atmosfera, principalmente nas grandes cidades onde as condições do ar estão piorando a cada ano.

Econômico: Substituindo parte do diesel fóssil pelos produtos do biodiesel (que é constituído, principalmente, de óleo vegetais), a maioria das empresas de gás tem um maior lucro mudando para este material, porque é mais barato que o fóssil. Além disso, as fábricas de Biodiesel estão ajudando nosso país na criação de diversos empregos, ajudando a economia brasileira e, também, ajudando o país a ser conhecido por mais produtos finais e não apenas os agrícolas, despertando o interesse de investidores estrangeiros.

O Brasil é um país com muitos recursos para produtos agrícolas, indo em concordância com a visão estrangeira sobre nós. Se encontra em abundância no país todas as matérias-primas que este segmento necessita, provavelmente mais do que em qualquer outro lugar.

Em geral, as matérias-primas principais para este mercado são:


Sebo Animal: O Brasil possui os maiores frigoríficos do mundo. Nossa carne é extremamente popular, sendo que as exportações estão constantemente aumentando. O subproduto, o sebo é muito recomendado para utilização no biodiesel, principalmente em função do preço, desempenho e benefícios fiscais, em comparação com outras matérias-primas do biodiesel.

Óleo de Soja: Atualmente, o Brasil é o maior produtor de soja do mundo, ultrapassando os Estados Unidos. Este é o produto com maior disponibilidade e demanda. No momento atual, o preço do óleo de soja é quem dita o mercado, sendo assim, para entender o preço das demais matérias-primas é importante entender primeiramente este. Graças ao dólar e a alta demanda por Biodiesel, no ano passado, os preços do óleo de soja atingiram os níveis mais altos em décadas. Cerca de 70-75% do Biodiesel no Brasil é produzido a partir do óleo de soja.

Em função da alta da moeda americana em relação ao Real, as exportações do óleo de soja cresceram. Com isso, os volumes de grãos no mercado local ficaram mais limitados e, graças a alta demanda no segmento de biodiesel, fica claro o crescimento no ano passado, com expectativa de manter o ritmo até o final 2021.



Fonte: AgFlow

Óleo de Algodão: Especialmente na versão bruta, a demanda por óleo de algodão bruto para o mercado de biodiesel está em constante crescimento nos últimos anos. A safra deste produto é oposta à da soja, sendo assim, é apenas no segundo semestre do ano no Brasil. Sem maior competição, esse óleo se torna um dos mais atraentes, especialmente em termos de preço (normalmente é 15-20% mais barato que o óleo de soja).

No entanto, há uma relutância por parte das empresas de biodiesel em comprar óleo de algodão bruto, principalmente por causa da cor mais escura, que pode impactar na cor final do produto e no teor do Gossipol, que mesmo depois de todo o processamento permanece na Glicerina (subproduto do Biodiesel).


Óleo de Palma: O Brasil está se tornando uma referência internacional na produção de óleo de palma. Espera-se que para os próximos anos, com maiores investimentos, nosso país seja autossuficiente na produção e um potencial exportador. Com uma boa qualidade e preços competitivos (similares ao óleo de algodão), o óleo de palma (principalmente na versão bruta) se torna uma boa opção para as companhias de biodiesel. Esta matéria-prima ainda não é utilizada por algumas empresas em função da cor fora do padrão e o FFA mais alto. Porém, algumas fábricas, para usar esse material mais barato, acabam misturando o produto com o óleo de soja, para obter a cor correta e poder processá-lo sem nenhum problema.

Óleo de Milho DDG: Altamente usado nos Estados Unidos, o Óleo de Milho Ácido é o subproduto da extração do etanol de milho. O Brasil está descobrindo como e onde utilizar este produto, não apenas para alimentação animal, mas também como usá-lo no processamento de Biodiesel.

Óleo Reutilizado: Com o tópico da sustentabilidade tendo grande relevância na atualidade, as companhias estão tentando ser o mais Eco-friendly possível. As empresas de reciclagem estão crescendo substancialmente ultimamente, consequentemente a produção de óleo reciclado também. A oferta deste produto não está na mesma escala das outras oleoginosas, porém é uma boa opção para o Biodiesel já que possui um preço competitivo e qualidade aceitável.

É importante saber que a indústria do Biodiesel tem se tornado um dos setores principais no Brasil. Com o crescimento sustentável, abrimos uma nova maneira de como o mundo enxerga o Brasil. Não apenas sendo produtores de matéria-prima, mas mostrando que também podemos oferecer produtos finais com qualidade e valor.

Em 2020, a China foi o principal e maior importador de soja do Brasil, embora o governo norte-americano tenha mudado e o mundo espere uma melhor relação comercial entre os países, nós não acreditamos que este fator irá afetar a grande aliança que o Brasil e China construíram nos últimos anos, é por isso que esperamos que a demanda chinesa continue forte pela soja brasileira. Porém, o preço, sem dúvidas, será o vai ditar o mercado.


Levando isso em consideração, os produtores devem ter uma boa estratégia de controle das exportações para evitar a escassez no e mercado local e, consequentemente, forçá-los a posteriormente importar soja a preços mais elevados, como aconteceu em 2020.

O Brasil tem potencial para ser o maior produtor de Biodiesel do mundo e, para isso acontecer, os próximos anos serão cruciais. Esta é a razão que, para alcançar tal posição, o governo e companhias privadas devem trabalhar juntas investindo em tecnologias, incentivos, infraestrutura e logística. Se isto vier a acontecer, o Brasil certamente se levantará novamente.

Se você precisar de mais informações sobre o mercado de commodities, preços, previsões e muito mais, inscreva-se na AgFlow, a rede #1 de fornecedores de dados de commodities agrícolas.

Por Tiago Vicente - Especialista em óleo de algodão e soja da Aboissa Commodity Brokers.

Siga a Aboissa no AgFlow clicando aqui.