fbpx
USD/BRL:
PT | EN | ES |      

Com forte perda, colheita do milho entra na reta final

por Eduardo Moreno

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 


Imagem: Pixabay


A colheita de milho da segunda safra 2020/21 nas regiões centro/sul atingiu 90,8% da área prevista até a data de 27 de agosto, aponta a DATAGRO Grãos. O avanço foi de 9,1% em relação aos dados apurados uma semana antes, segundo o mais recente levantamento do analista-chefe da Consultoria, Flávio Roberto de França Júnior.

Na comparação com igual data do ano passado, destaca a DATAGRO Grãos, o ritmo dos trabalhos está 3,8% adiantado: “Entretanto, em relação à média das últimas cinco temporadas, verifica-se atraso de 1,6% no fluxo de retirada do grão das lavouras”.



A Consultoria aponta, no que diz respeito aos estados, que os trabalhos já foram concluídos no Mato Grosso. Os percentuais de colheita para os demais são: Goiás/DF (94%), Minas Gerais (93%), Paraná (83%), Mato Grosso do Sul (79%) e São Paulo (70%).

“Este ciclo será marcado por perdas na produção, devido a intempéries climáticas, seca e mais recentemente geadas, bem como ocorrência de pragas, principalmente a da cigarrinha, que castigou severamente, sobretudo a região Sul”, ressalta França Júnior.

O QUE VEM POR AÍ

A Consultoria AgResource Brasil aponta que os produtores rurais brasileiros se preparam para o início do plantio da safra verão. “De acordo com o último levantamento de seca, o índice de umidade no solo era considerado insuficiente em grande parte do país. Porém, as recentes chuvas no Sul do Brasil devem animar alguns agricultores a realizar o plantio das áreas de milho verão”, destacam os analistas.


“Em Mato Grosso, o modelo climático norte-americano está indicando chuvas leves em partes do Centro/Oeste e Centro/Sul a partir da segunda metade da próxima semana. Apesar de não serem grandes volumes, as precipitações já ajudam a elevar o nível de água no solo. Nossa perspectiva é que setembro ainda será um mês de consolidação das chuvas”, conclui a AgResource Brasil.

Por: Leonardo Gottems | Agrolink