fbpx
USD/BRL:
PT | EN | ES |      

EUA sofre com carga e descarga nos portos

por Eduardo Moreno

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 


Imagem: Pixabay


A demanda por equipamentos de carga e descarga de navios não vacilou durante a pandemia do COVID-19, mas a maneira como fornecedores e clientes conduziram os negócios parece diferente. As reuniões virtuais ajudaram em algumas situações, mas quando chegou a hora das instalações e comissionamento, a reunião presencial ainda era uma necessidade. Fornecedores de equipamentos de carga e descarga de navios pesquisados pela World Grain disseram que seria benéfico se tivessem equipes localizadas em todo o mundo.

“A comida é uma necessidade primária, então o setor não é afetado e as tendências de negócios não estão diminuindo”, disse um fornecedor. “Ser capaz de continuar entregando nossos produtos nesse ambiente, com o mínimo de interrupção possível, é o principal desafio. A conferência remota pode resolver o problema apenas parcialmente. Essa situação certamente reduzirá o número de participantes em potencial e fortalecerá as principais empresas e grupos”.



As empresas terão que continuar a repensar como os projetos são executados e cumpridos quando envolvem engenharia especializada e suporte de fornecedores internacionais. O COVID-19 causou problemas nos atrasos no envio e na disponibilidade de componentes de fabricação, disse um fornecedor.

“Quando conseguimos uma aprovação para entrar em um país, normalmente há um período de quarentena de 14 dias, resultando em muitas semanas de técnicos em quarentena em vez de no projeto, concluindo o trabalho”, disse um fornecedor.

Além dos impactos do COVID-19, as regulamentações ambientais e a sustentabilidade do sistema de manuseio de grãos continuam sendo questões importantes para o setor. A demanda por equipamentos novos e de última geração é constante, disse um fornecedor, mas eles também tiveram projetos que envolvem a reforma de equipamentos e instalações existentes.

Por: Leonardo Gottems | Agrolink