fbpx
USD/BRL:
PT | EN | ES |      

A Alemanha propõe a eliminação progressiva dos biocombustíveis até 2030

por Rafael Moro

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Imagem: Pixabay

O Ministério do Meio Ambiente do governo alemão está trabalhando em uma proposta para eliminar gradualmente o uso de biocombustíveis produzidos a partir de culturas de alimentos e rações até 2030, de acordo com um relatório da Argus Media.

A proposta surgiu contra um cenário de aumento dos custos dos alimentos e declínio do fornecimento de produtos agrícolas causado pela interrupção das exportações dos principais fornecedores da Ucrânia e da Rússia, segundo o relatório, após a invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro e o conflito em curso.

Um documento de trabalho divulgado pelo ministério propôs a redução do uso de biocombustíveis baseados em culturas para cumprir a quota de redução de emissões de gases de efeito estufa (GHG) da Alemanha para 2,5% em 2023, de 4,4% este ano, escreveu Argus Media em 17 de maio. O limite cairia posteriormente para 2,3% em 2024, 2,1% em 2025, 1,9% em 2026/27, 1,2% em 2028/29 e depois para zero no ano seguinte.

Para compensar a redução, o documento de trabalho sugeriu aumentar o multiplicador da eletricidade usada para carregar e-cars para quatro, de três, atualmente, e o multiplicador para o uso de hidrogênio verde e PtX-fuels para três, de dois.



Além disso, a tampa para o biodiesel baseado em resíduos produzido a partir de óleos de cozinha usados (UCO) e gorduras animais poderia ser levemente levantada, mas nenhum número foi dado no documento de trabalho. O documento também propõe estender o uso de projetos de redução de emissões a montante (UER) até 2028, a partir da data atual de eliminação gradual após 2026. Uma ligeira redução na quota de GEE do país também seria necessária para os anos de cumprimento de 2023 a 2026, disse o grupo de trabalho do ministério.

As propostas foram criticadas pela associação alemã de biocombustíveis VDB, que disse que não era necessária uma redução da proporção de biocombustíveis, pois os produtores de etanol geralmente utilizavam grãos inadequados para o setor de alimentos, e os produtores de biodiesel já haviam cortado sua produção em favor da produção de alimentos.

"O esboço... é inflexível e inadequado para resolver quaisquer problemas com a disponibilidade de matérias-primas", disse o diretor administrativo da VDB, Elmar Baumann.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor - www.DeepL.com/Translator

Por: Oils & Fats Internacional (OFI)