Putin promete mais esforços para desbloquear mais exportações russas de fertilizantes


Imagem: Pixabay


O presidente Vladimir Putin disse nesta quarta-feira que as autoridades russas trabalharão para desbloquear fertilizantes russos presos em portos europeus e retomar as exportações de amônia por meio de um oleoduto através da Ucrânia.

Em uma reunião com o empresário russo Dmitry Mazepin, que renunciou do controle da produtora de fertilizantes Uralchem-Uralkali depois de ter sido atingido por sanções da UE em março, Putin disse que a Rússia está pronta para aumentar suas exportações de fertilizantes.

“O principal problema provavelmente foi o fato de que muitos fertilizantes estavam congelados nos portos europeus”, disse Mazepin na reunião, que foi transmitida pela TV estatal.

{module Form RD}

Existem 262.000 toneladas de fertilizantes da Uralchem retidas em portos da Estônia, Letônia, Bélgica e Holanda, disse ele. Outros produtores, Acron e Eurochem, têm 52.000 toneladas e quase 100.000 toneladas de seus fertilizantes presos na Europa, respectivamente.

As cargas estão retidas por causa das sanções da UE aos ex-proprietários das empresas, incluindo a Mazepin. A Uralchem disse em 12 de novembro que havia feito um acordo com a Holanda, Estônia e Bélgica para enviar o fertilizante para países africanos gratuitamente.

Putin disse, no entanto, que mesmo essas doações propostas estavam sendo bloqueadas. Ele concordou em pedir ajuda às autoridades russas, dizendo que havia sido contatado por vários líderes africanos sobre o assunto.

 
“O tempo todo estamos falando sobre a necessidade de ajudar os países mais pobres e em questões completamente alheias à segurança alimentar, esses suprimentos, até mesmo as doações, são bloqueados”, disse Putin. “É totalmente inaceitável, mas está acontecendo.”

Mazepin também pediu a Putin mais ajuda com a retomada das exportações russas de amônia por meio de um oleoduto que vai da Rússia até o Mar Negro, atravessando a Ucrânia.

A exportação de amônia, usada em fertilizantes, não fazia parte da renovação da semana passada do acordo do Mar Negro que permite embarques de grãos da Ucrânia, embora as Nações Unidas estejam otimistas que a Rússia e a Ucrânia possam chegar a um acordo sobre os termos do oleoduto.

“Esperávamos que, quando houvesse uma continuação do acordo de grãos, que foi feito recentemente, essa questão também fosse resolvida. Mas gostaria de informar a vocês que o lado ucraniano apresenta uma série de questões políticas que estão fora de nossa competência”, disse Mazepin.

Putin respondeu: “Também trabalharemos com a ONU, com nossos colegas da organização. Veremos o que acontece.”

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, disse em setembro que só apoiaria a retomada das exportações de amônia via Ucrânia se Moscou devolvesse os prisioneiros de guerra, uma ideia que o Kremlin rejeitou.

Fonte: Polina Devitt | Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.