Queda da SELIC não trará grande impacto para o agro no curto prazo, diz FAESP



Imagem: Freepik


O Banco Central (BC) anunciou a redução da taxa Selic em 0,5 ponto percentual, que agora opera em 13,25%. A medida colocou fim à fase de aperto iniciada em março de 2021. Desde agosto do ano passado, a taxa básica de juros era de 13,75% ao ano. A expectativa agora é quanto ao ciclo de flexibilização da Selic que deve ser implementado pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do BC.

Assim como todo o mercado, o agronegócio, setor que desempenha papel expressivo na economia nacional, espera que os reajustes da nova política monetária ocorram rapidamente, considerando que a evolução dos aspectos econômicos e inflacionários no Brasil e no mundo, nos últimos meses, dão respaldo a um cenário menos restritivo.

{module Form RD}

“A curto prazo, o impacto da queda de 0,5 ponto percentual da Selic para o agronegócio será muito modesto, já que a medida não terá resultado prático no custo do crédito. O que fica de positivo é a sinalização do Copom para uma política de novos cortes na taxa básica de juros. Os dados de inflação mostram alívio, e a expectativa é de que continuem em queda, o que vai estimular os investimentos e o crescimento da economia nacional, na qual o agronegócio é protagonista”, avalia Tirso Meirelles, vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP).

Ainda de acordo com Meirelles, como o Banco Central demorou para iniciar os cortes, mantendo a Selic em patamar elevado de 13,75%, a inflação pode vir abaixo da meta nos próximos meses, o que pode abrir espaço para um ciclo mais rápido e profundo do que o sinalizado atualmente. Além disso, a evolução de uma política fiscal mais sóbria para o País, a partir do arcabouço fiscal que ainda precisa ser implementado, é outro ponto que ditará o ritmo da decisão do Banco Central.

“Juros elevados impactam as expectativas e travam a economia atingindo de modo direto o agronegócio, que precisa de taxas menores para o financiamento da safra. A esperança é que esse seja o começo de um ciclo de corte de juros que tenha grandes reflexos para a diminuição dos custos de produção e operacionais do setor, o que, por consequência, vai resultar na queda dos preços dos alimentos ao consumidor”, reforçou.

Embora os recursos do Plano Safra 23/24 sejam crescentes, com linhas especiais e taxas menores, eles ainda são insuficientes para atender todos os produtores que têm de recorrer ao mercado financeiro.

“Com um corte mais profundo da Selic e uma política monetária mais calibrada, o acesso ao crédito é facilitado, pois os produtores rurais que buscarem crédito com taxas de juros livres poderão contratar operações com juros reais menores”, destacou Meirelles.

Outro ponto importante é que, independentemente da redução da Selic, a diferença percentual entre a taxa de juros cobrada pelos bancos nos empréstimos e a taxa de juros paga nos investimentos também precisa ser reajustada, pois, nos patamares atuais, aumenta exageradamente as dívidas contraídas pelos produtores para financiar as atividades agropecuárias.

Fonte: Datagro

{module Leia Também}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.