Regulação da avaliação sanitária no abate de frangos no Brasil

Procedimento de avaliação sanitária no abate de frangos é regulamentado no Brasil
Imagem: Canva

Subsidiado por pesquisa da Embrapa Suínos e Aves (SC), o Sistema de Inspeção Federal (SIF), do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), incorpora a partir deste mês um procedimento inédito para garantir uma identificação mais eficaz de riscos de contaminação da carne por microrganismos no abate de frangos de corte. Trata-se da implementação, em seus autocontroles, do monitoramento microbiológico do desempenho higiênico-sanitário do processo de abate, com indicadores de limites para a Enterobacteriaceae – bactérias encontradas no trato gastrointestinal dos animais. Considera-se essas bactérias um importante indicador da qualidade higiênico-sanitária do processo de abate e um indicador potencial da presença ou ausência de Salmonella spp, uma das principais causas de condenação das carcaças nos frigoríficos.

A Portaria SDA/MAPA Nº 1.023 oficializou o novo procedimento, publicando-o no dia 29 de fevereiro. Ele abrange os abatedouros frigoríficos registrados no SIF, que está vinculado ao Dipoa do Mapa. O pesquisador da Embrapa, Luizinho Caron, comemora: “Representa mais um avanço no trabalho de revisão e modernização do abate em frigoríficos“. Em 2016, o Mapa/Dipoa demandou que a Embrapa elaborasse uma proposta de modernização da inspeção, baseada no manejo do risco.

“A partir da aplicação desse procedimento, os frigoríficos têm como avaliar efetivamente o risco que o seu processo apresenta à saúde. Identificar lotes problemáticos na produção, permitindo ação direta no sistema de abate, é uma vantagem destacada pelo pesquisador.

Perdas no abate atingem cerca de 6% das carcaças

No processo de abate, condenam-se as carcaças de frangos com alterações ou contaminações, atingindo aproximadamente 5,99% das aves abatidas. Portanto, essas aves se destinam à produção de produtos não comestíveis. A avaliação física antes-e-após a morte dos animais baseia a condenação deles, resultando em condenação parcial ou total de 85% ou 15% das carcaças.

Segundo pesquisadores da Embrapa, as principais causas de condenações registradas pelo SIF durante o abate de frangos são as contaminações gastrointestinais, representando 26,2% das condenações. Em seguida, vêm as condenações por lesões traumáticas com 24,8%, lesões de pele inespecíficas com 13,3% e 35,7% sendo por outras causas.

No Brasil, o Serviço de Inspeção remove partes contaminadas nos frigoríficos após a detecção no Ponto Crítico de Controle. “O trabalho avaliou a eficácia do processo de refile sobre a contagem de Enterebacteriaceae, que são um importante indicador da qualidade higiênico-sanitária dos processos”, explicou. Após aplicar os procedimentos, os frigoríficos podem reduzir condenações de carcaças, avaliando o risco à saúde de forma eficaz.

Um intenso trabalho em abatedouros da Região Sul do Brasil permitiu a definição dos limites considerados para essa avaliação. Pesquisadores da Embrapa, Dipoa e universidades públicas coletaram dados e estiveram presentes nas linhas de abate. Com base nos dados coletados e a definição preliminar dos limites, a equipe do Mapa realizou pilotos em diversos frigoríficos no Brasil validando os limites. Essa validação culminou na publicação da Portaria 1023 e nos frigoríficos efetivarão isso.

O projeto e suas contribuições

O projeto de “Revisão e Modernização do Sistema de Inspeção Federal – SIF”, iniciado em 2016 por demanda do Dipoa/Mapa, envolveu parceiros renomados, tais como a UFRGS, IFC-Concórdia, USP e Senai – Chapecó. Além disso, seu objetivo central é adotar um modelo de inspeção orientado pelo risco, com o intuito de avaliar sua eficácia na análise de carcaças para a detecção de Salmonella spp. Importante destacar, este gênero de bactérias é reconhecido como o principal vetor de doenças transmitidas por alimentos no Brasil e em outras nações, sendo ainda uma causa significativa de notificações de inconformidades da carne “in natura” de frango brasileiro, especialmente na Europa e Japão, conforme explica Caron.

A equipe do projeto atuou, inicialmente, na elaboração de uma Nota Técnica sobre a inocuidade das miopatias, abordando tanto o aproveitamento de graus iniciais da alteração quanto a classificação das mesmas. Ademais, a nota técnica se baseia no ofício-circular do Dipoa (OFÍCIO-CIRCULAR Nº 17/2019/CGI/DIPOA/SDA/MAPA – 13/12/2019), que discute miopatias para aplicação do Decreto 9.013.

Fonte: Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.