Reivindicações de olivicultores entram na pauta de diferentes ministérios em Brasília



Imagem: Pixabay


Com uma pauta focada na fiscalização e classificação correta do azeite extravirgem que ingressa no mercado nacional, os olivicultores deram um grande passo, esta semana, em Brasília. É que o Instituto Brasileiro de Olivicultura (Ibraoliva) realizou uma intensa agenda de reuniões na Secretaria de Comunicação da Presidência e nos Ministérios da Justiça e da Agricultura.

O primeiro encontro foi com o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Paulo Pimenta. “Ele nos recebeu com muita atenção e já comprometido com a causa”, disse o presidente da entidade, Renato Fernandes, explicando que o ministro deu encaminhamento a diversas causas do setor para diferentes órgãos.

{module Form RD}

Depois disso, Fernandes teve dois encontros técnicos. Um deles, no Ministério da Justiça, o Ibraoliva realizou uma apresentação dos azeites extravirgens produzidos no Brasil, com degustação. Ao diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, Ricardo Blattes, o instituto apresentou nove demandas e recebeu a promessa de um breve retorno a todas elas. O segundo, foi junto ao Ministério da Agricultura, com o secretário-executivo Irajá Lacerda. O presidente da entidade disse que a pauta das fraudes e da classificação errônea dos azeites extravirgens no Brasil terá andamento em uma reunião interna do Ministério, para a qual já foram solicitados novos subsídios.

Renato Fernandes salientou, em todos os encontros em Brasília, que é necessária uma imediata intensificação do trabalho sobre o Painel Sensorial. O Painel, pertencente ao Ministério da Agricultura e certificado pelo Conselho Oleícola Internacional (COI), é formado por um grupo de pessoas treinadas para provar um azeite e identificar nele aromas e sabores que, conforme a presença ou não de defeitos, podem indicar se um azeite é virgem, extravirgem ou lampante, que é como os azeites são classificados pela legislação brasileira. “O que a gente quer é uma implementação mais forte, um trabalho de divulgação dessas análises que estão sendo feitas com este índice alto de reprovação”, explicou Fernandes. O Ibraoliva possui uma campanha permanente que visa esclarecer a diferença entre azeite virgem e extravirgem e que há produtos que ingressam no país com classificação equivocada, gerando confusão entre os consumidores que podem ser lesados não só economicamente, como também em sua saúde.

Também estão entre as medidas solicitadas pelo Ibraoliva, além do controle dos azeites nacionais e importados, conhecer e compreender os benefícios fiscais e os acordos comerciais dos importados e verificar a posterior retirada destes benefícios. O instituto também quer apoio do Ministério da Agricultura junto ao Ministério da Economia para ingresso do Brasil no COI e a facilitação e orientação para exportação do azeite brasileiro. 

Fonte: Notícias Agrícolas

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.