Rússia ataca porto ucraniano do Danúbio, elevando preços globais de grãos



Imagem: Adobe Stock


A Rússia atacou nesta quarta-feira o principal porto interior da Ucrânia, no rio Danúbio, partindo da Romênia, elevando os preços globais dos alimentos à medida que aumenta o uso da força para restabelecer o bloqueio.

O Ministério da Defesa da Ucrânia disse que um silo de grãos foi danificado no porto de Izmail, no Danúbio, na região de Odesa: “Os grãos ucranianos têm potencial para alimentar milhões de pessoas em todo o mundo”, escreveu o ministério na plataforma de mensagens X.

{module Form RD}

O porto, do outro lado do rio da Romênia, membro da Otan, tem servido como a principal rota alternativa da Ucrânia para as exportações de grãos desde que a Rússia reintroduziu seu bloqueio de fato aos portos ucranianos do Mar Negro em meados de julho.

Um vídeo divulgado pelas autoridades ucranianas mostrou bombeiros em escadas lutando contra um grande incêndio de vários andares em um prédio coberto com janelas quebradas. Vários outros edifícios grandes estavam em ruínas e grãos vazaram de pelo menos dois silos destruídos.

Não houve relatos de vítimas, escreveu o governador da região de Odesa, Oleh Kiper, em um post no aplicativo de mensagens Telegram.

“Infelizmente, houve danos”, disse o presidente Volodymyr Zelenskiy no Telegram. “Os mais significativos estão no sul do país. Os terroristas russos mais uma vez atacaram portos, grãos, segurança alimentar global.”

Uma fonte da indústria também confirmou que Izmail foi o principal alvo do ataque, descrevendo o nível de dano como “sério”.

Os preços do trigo em Chicago subiram 4% após o ataque de quarta-feira e ainda subiam cerca de 2,5% no final da manhã, com traders preocupados novamente com um impacto na oferta global devido à retirada da Ucrânia, um dos maiores exportadores do mundo, do mercado.

A Rússia tem atacado incansavelmente a infraestrutura agrícola e portuária ucraniana por mais de duas semanas, desde que se recusou a estender um acordo que suspendeu o bloqueio dos portos ucranianos durante a guerra no ano passado.

PUTIN-ERDOGAN CONVERSA

O Kremlin disse que o presidente Vladimir Putin falou por telefone com o patrocinador do acordo de exportação de grãos, o presidente turco Tayyip Erdogan.

Putin reiterou a condição da Rússia para voltar ao acordo de grãos: que seja implementado um acordo paralelo que melhore os termos de suas próprias exportações de alimentos e fertilizantes. Essas exportações já estão isentas de sanções, que o Ocidente diz que Moscou pretende minar pressionando o suprimento global de alimentos.

Moscou descreveu seus recentes ataques como retaliação a um ataque ucraniano em uma ponte para a Crimeia, usada para abastecer suas tropas no sul da Ucrânia.

A embaixadora dos EUA, Bridget Brink, listou alvos russos recentes.

“Casas. Portos. Silos de grãos. Edifícios históricos. Homens. Mulheres. Crianças”, disse ela em comunicado divulgado pela embaixada.

“Os ataques russos contínuos e intensificados em Kryvyi Rih, Kharkiv, Kiev e Kherson deixam claro mais uma vez que a Rússia não deseja a paz, não pensa na segurança civil e não se importa com as pessoas ao redor do mundo que dependem de alimentos de Ucrânia.”

Kiev diz que o objetivo dos ataques é restabelecer o bloqueio da Rússia, persuadindo os carregadores e suas seguradoras de que os portos ucranianos não são seguros para retomar as exportações.

“É prioridade do inimigo convencer a comunidade internacional e os armadores em particular de que os portos de Odesa, os portos da Ucrânia são locais pouco confiáveis ​​para operar, trabalhar, carregar, navegar. portos sob controle são perigosos”, disse Natalia Humeniuk, porta-voz militar no sul da Ucrânia.

Os produtores da Ucrânia já estão sentindo o impacto. Kees Huizinga, um agricultor da região central de Cherkasy, na Ucrânia, disse à Reuters: “Por causa do bombardeio, uma consequência direta para nossa fazenda é que não podemos entregar 700 toneladas de cevada contratada que deveríamos entregar hoje”.

Os portos fluviais do Danúbio da Ucrânia, como Izmail, representavam cerca de um quarto das exportações de grãos antes da Rússia sair do acordo do Mar Negro, e desde então se tornaram a principal rota remanescente, com grãos carregados em barcaças e enviados para o porto romeno de Constanta, no Mar Negro, para envio em diante.

No domingo, a mídia ucraniana informou que vários navios de carga estrangeiros chegaram diretamente a Izmail vindos do Mar Negro, pela primeira vez desde o término do acordo de grãos, uma aparente tentativa de abrir uma brecha no bloqueio recém-restaurado da Rússia.

As Nações Unidas alertaram para uma potencial crise alimentar e fome nos países mais pobres do mundo como resultado da decisão da Rússia de abandonar o acordo, intermediado pela ONU e pela Turquia.

Moscou diz que tratará os navios que se dirigem aos portos ucranianos como potenciais alvos militares. Kiev disse que espera que os navios retornem de qualquer maneira.

Como resultado do colapso do acordo em meados de julho, as exportações de grãos da Ucrânia para o mês caíram 40% em relação a junho, disseram analistas na terça-feira.

Drones russos atacaram os portos ucranianos do Danúbio uma vez antes no final de julho, destruindo um armazém de grãos. Autoridades ucranianas disseram que Moscou atingiu 26 instalações portuárias, cinco navios civis e 180.000 toneladas de grãos em nove dias de greves desde que deixou o acordo de grãos.

A Força Aérea da Ucrânia informou que a Rússia também lançou um ataque de drones em Kiev e na região circundante durante a noite. A defesa aérea abateu 23 drones, mas os destroços dos drones derrubados danificaram vários prédios na capital e na região. Nenhuma vítima foi inicialmente relatada.

Fonte: Pavel Polityuk e Peter Graff | Notícias Agrícolas

{module Leia Também}

Facebook
Twitter
LinkedIn

Aboissa apoia

Fique por dentro das novidades
e melhores oportunidades do
agronegócio – inscreva-se já!

Ásia

Arábia Saudita

Bangladesh

China

Singapura

Coréia do Sul

Emirados Árabes Unidos

Filipinas

Índia

Indonésia

Iraque

Jordânia

Líbano

Malásia

Omã

Qatar

Turquia

Vietnã

Hong Kong

América

Argentina

Bolívia

Brasil

Canadá

Chile

Colômbia

Equador

Estados Unidos

Guatemala

Ilhas Virgens Britânicas

México

Nicarágua

Panamá

Paraguai

Perú

Uruguai

Suriname

Venezuela

República Dominicana

Costa Rica

Cuba

África

África do Sul

Argélia

Camarões

Costa do Marfim

Egito

Libéria

Marrocos

Serra Leoa

Sudão

Quênia

Tunísia

Ilhas Maurício

Europa

Albânia

Alemanha

Bélgica

Bulgária

Espanha

Finlândia

França

Inglaterra

Italia

Lituânia

Polônia

Portugal

Rússia

Turquia

Sérvia

Suécia

Suíça

Ucrânia

Chipre

Estônia

Irlanda

Romênia

Oceania

Austrália

Nova Zelândia

Solicite uma cotação!

Preencha o formulário e obtenha atendimento para suas necessidades comerciais.
Nossos especialistas estão prontos para oferecer soluções personalizadas.

*No momento não estamos trabalhando com intermediários.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.